EBU/UER tenciona mudar o sistema de votação do Festival Eurovisão?


Toñi Prieto, chefe de entretenimento da RTVE, revelou que a EBU/UER consultou a delegação espanhola sobre possíveis alterações na votação do Festival Eurovisão.

Em entrevista ao Vertele, Toñi Prieto, chefe de entretenimento da RTVE e membro da delegação espanhola no Festival Eurovisão, revelou que a União Europeia de Radiodifusão está a analisar possíveis alterações na votação do concurso. "A EBU/UER está a considerar uma mudança e estão a conversar com as delegações para terem diferentes opiniões" revelou Toñi Prieto, deixando como possibilidades "a existência apenas de um júri ou de um votação pública".

Contudo, até ao momento, mais nenhuma delegação revelou ter sido abordada pela EBU/UER sobre uma possível alteração no sistema de votação no Festival Eurovisão. De realçar que a última alteração na votação no concurso foi em 2016, quando a EBU/UER instaurou o novo sistema, que conta com as votações do júri e do público em separado. Anteriormente entre 2010 e 2015, a votação de cada país contemplava a votação do júri e do público, sendo que, durante este período, o processo de conversão foi sofrendo algumas alterações.
Esta e outras notícias também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: Eurovoix/ Imagem: Google

6 comentários:

  1. Anónimo18:42

    Não se ponham a inventar! O actual sistema pode não ser perfeito mas é o mais equilibrado.

    ResponderEliminar
  2. Anónimo19:44

    Voto do Júri = "And the winner is Sweden"
    Voto do público = o regresso da Bimbovisão

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo21:37

      Ora nem mais! O que eles querem é que haja só júri para poderem ser eles a escolher quem deve ganhar.
      Não concordo. Prefiro o sistema que está agora,é o menos injusto.

      Eliminar
  3. Eu sou pela simplificação da atribuição dos pontos.Já se tornou notório que não é por engendrarem um sistema complexo que o vencedor nunca é criticado. Por exemplo: se só forem considerados os votos para os 5 primeiros, veremos que os resultados serão sempre muito negativos para o lado português. E esta seria a forma mais fácil e mais célere de a RTP desistir de uma vez por todas de fazer de bombo da festa todos os anos, tirando uma ou outra rara excepção e embarcar noutras iniciativas mais interessantes e aplaudidas.

    ResponderEliminar
  4. Anónimo21:15

    Excluir o jurí ou o público da decisão final é uma péssima ideia, a meu ver o jurí poderia ser melhorado, em vez de serem 5 os jurís serem 10 ou 15, talvez dividir o júri por duas faixas etárias como se fez no passado ou fazer algo Sanremo em que metade do júri são jornalistas e críticos musicais e a outra artistas e outros proficionais da área, quanto mais plural for a votação dos jurís melhor

    ResponderEliminar
  5. Poderiam tentar fazer com o método preferencial, que é usado para decidir o vencedor do Oscar, que tal???

    ResponderEliminar