ESC2020: Emissora da Noruega prolonga prazo de inscrições para o 'Melodi Grand Prix 2020'


A emissora noruega NRK adiou, para 30 de junho, o fecho das inscrições para o Melodi Grand Prix 2020, edição que contará com seis galas televisionadas para comemorar o 60.º aniversário da competição.


O Melodi Grand Prix assinala, no próximo ano, o seu 60.º aniversário e a emissora noruega NRK prepara uma mega edição para assinalar a data. Para tal, a edição de 2020 será composta por seis galas (cinco semifinais e uma Grande Final), sendo que todas as transmissões terão lugar em Oslo, mas com artistas específicos de cada uma das regiões: Norte, Centro, Ocidente, Oriente e Sul. O público será o responsável por eleger um dos artistas de cada semifinal, sendo que o júri elegerá também um candidato por gala. Os dez finalistas disputarão a Grande Final, onde o público decidirá quem representa a Noruega no Festival Eurovisão 2020.

Contudo, a emissora norueguesa NRK adiou, para 30 de junho, o fecho das inscrições para a competição, em vez da data inicial (17 de maio). Todas as canções submetidas têm de conter um compositor com nacionalidade norueguesa, sendo que cada produtor e compositor apenas poderá submeter três canções para o evento.

A Noruega estreou-se em 1960 no Festival Eurovisão, tendo participado em 58 edições. Apesar de ser o país com maior número de últimos lugares e null points, a Noruega conta com 3 vitórias na competição: 1985, 1995 e 2009. Em Telavive, o grupo KEiiNO representou o país com "Spirit in the Sky", tendo sido a candidatura mais votada pelo público. Contudo, o 18.º lugar no júri colocou a Noruega no 6.º lugar com 331 pontos, sendo 10 oriundos de Portugal (4 do júri e 6 do público).



 Este e outros artigos também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: Eurovoix/ Imagem: Google / Vídeo: Youtube

9 comentários:

  1. Anónimo21:10

    Enquanto isso a nossa RTP vai convidar a gentinha do costume com musicas deprimentes e vamos continuar a ficar pela semi final na eurovisao por muitos anos pq Luísa Sobral só há uma e foi uma sorte ter participado no festival

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo15:23

      nem mais...ainda tenho esperança que mudem algumas regras, veremos...caso contrario, estamos condenados.

      Eliminar
    2. Anónimo22:21

      O problema é que a rtp não vai investir no artista que vencer o festival da canção, podêmos ter a melhor música a concurso, mas se o staging não for bom vamos acabar como o Conan e a Isaura acabaram e vamos ter as pessoas a dizer "que injustiça!"

      Eliminar
    3. Anónimo01:28

      22:21 por isso é que é tao importante abrirmos candidaturas a todos, apareceria gente que se candidata tambem porque ama e conhece o festival e tem noçao do que é pelo menos um staging em condições, nao como os que sao convidados mas nem sequer sabem o que é o ESC, estao dependentes da RTP, submissos ao music is feeling e a essa ideia de que devem renegar a sua identidade e seguir a simplicidade.

      Eliminar
  2. Anónimo15:23

    APRENDE, RTP

    ResponderEliminar
  3. Anónimo23:36

    Após ouvir as críticas que o Galopim fez à música da Letónia, música que encaixava muito bem nas duas últimas edições do festival da canção, espero que ele tenha a coerência de não convidar nenhum wannabe dos Sobral

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo01:25

      serio?? quando é que ele disse isso?

      Eliminar
    2. Anónimo14:05

      Será que o Galopim sabe que a Letónia terminou na mesma posição que Portugal, mas numa semi-final de 18 canções?

      Eliminar
  4. Anónimo13:58

    Se bem me lembro, foi o Nuno Galopim que convenceu o júri de que "Se eu te pudesse abraçar" em 1998 era a melhor escolha para o Eurofestival (devido à sua influência étnica), quando havia pelo menos 2 canções superiores para representar Portugal!... por isso, o Nuno só tem mania de que é um "expert" em música.

    ResponderEliminar