ESC2019: Viktor Drobysh quer processar a EBU/UER porque o júri da Bielorrússia não pontuou a Rússia


O produtor Viktor Drobysh, responsável pela canção da Bielorrússia, garante que processará a EBU/UER pela distribuição dos pontos do júri do país: "Tal infligiu grandes problemas nas relações entre a Rússia e a Bielorrússia".

Produtor de "Like It", o russo Viktor Drobysh afirmou, em entrevista à RIA Novosti, que processará a EBU/UER pela distribuição dos pontos do júri da Bielorrússia na Grande Final do Festival Eurovisão 2019. "A EBU/UER infligiu grandes problemas nas relações entre a Rússia e a Bielorrússia (...) especialmente a mim porque de repente me tornei um inimigo do povo russo, que não recebeu pontos da nossa parte"  referiu, garantindo que "entregaram-nos um envelope e fizeram-nos anunciar aqueles resultados".

De realçar que o júri bielorrusso foi dispensado pela EBU/UER para a Grande Final, depois dos membros do painel terem revelado os seus favoritos após a semifinal. Deste modo, a organização garantiu que o voto do júri da Bielorrússia seria resultante da média de cinco júris escolhidos aleatoriamente, algo que tem causado polémica visto que os países pontuados ficaram na parte inferior da tabela classificativa.



Este e outros artigos também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: Eurovoix/Imagem/Vídeo: Eurovision.tv 

9 comentários:

  1. Anónimo23:27

    Ahahahah isto só pode ser uma piada

    ResponderEliminar
  2. E que, curiosamente, Israel recebeu 12 pontos... depois dizem que não há política envolvida bullshit!

    ResponderEliminar
  3. Anónimo23:54

    Este senhor devia era ser proibido de alguma vez mais concorrer ao festival. Usar o ESC como plataforma de gestão de relações político-diplomáticas já é um bocadinho demais...

    ResponderEliminar
  4. Anónimo00:16

    Que aquela pontuação do júri da bielorrússia na grande final é altamente duvidosa, estranha e... manipulada como a organização quis... 12 pontos para Israel! Quando não recebeu de mais ninguém! Altamente conveniente não deixar o host country com zero pontos. Resultado da média de 5 júris de 5 páises aleatórios! Isso é joke entry!!
    Mas virem dizer que vão processar porque a Rússia não foi contemplada, é o mesmo que dizer que os júris votam por conveniência, o que já se sabe! As dicotomias Chipre/Grécia, Azerbaijão/Rússia, Azerbaijão/Arménia,... e por aí adiante que ano após ano os 12 ou 0 pontos são garantidos, consoante a dicotomia.
    Para quê juris de países destes!! Ou seja, não abrissem a boca antes do fim e a Rússia tinha mais 12 pontos. Isso é que é profissional e a avaliação rigorosa de jurados? E depois o leste ainda abre a boca quando sai assim raras vezes uns 12 pontos de Espanha para Portugal ou vice-versa seja no televoto ou no júri. É mas é:
    Abaixo o júri, e 100% televoto!!

    ResponderEliminar
  5. Anónimo01:22

    Coitadinho do inimigo do povo russo... hahaha O comentário dele foi pior do que o soneto.

    ResponderEliminar
  6. Anónimo09:02

    Digam o que disserem apesar de tudo a votação mista tem nos dado bons vencedores desde que foi implementado.

    ResponderEliminar
  7. Anónimo09:56

    Medinho da mãe Rússia

    ResponderEliminar
  8. Anónimo12:14

    Bem, já que quase todos cantam em inglês, mais valia não se saber de que países vinham. Talvez isso originasse mais imparcialidade nas votações e, esperança minha, que voltassem a cantar nas suas línguas e não em inglês...

    ResponderEliminar
  9. Anónimo15:11

    Se mais alguma evidência fosse precisa aqui está ela: afinal votam no país e na canção, não importa qual seja. E isto dito sobre os votos do júri, dito profissional. Vergonha, mas para o ano lá estarão na mesma.
    e que países aleatórios foram esses? alguém viu o sorteio? Como é que dessa média Israel consegue 12 pontos se quase ninguém votou no bébé chorão? Estudei estatística e nunca vi fazer uma média desta maneira. Só mesmo à la Ola Sand...

    ResponderEliminar