ESC2019: Quais foram os favoritos dos jurados de Portugal no Festival Eurovisão 2019?


A Holanda recebeu a pontuação máxima do júri português na Grande Final do Festival Eurovisão 2019, enquanto a República Checa recebeu os 12 pontos na semifinal. Mas quais foram os candidatos favoritos de cada um dos cinco jurados?



Renato Júnior
Compositor e produtor participante no Festival da Canção de 2006, 2008 e 2015, Renato Júnior atribuiu a pontuação máxima na semifinal 1 do Festival Eurovisão 2019 à canção da República Checa, país que recebeu a pontuação máxima do painel. Bielorrússia e Eslovénia seguiram-se nas preferências do produtor, sendo que a Bélgica (8.º) e Finlândia (10.º) foram os não apurados que ficaram no top10 da sua votação, em detrimento da Grécia (11.º) e Islândia (15.º). A Polónia foi a sua última classificada.


Na Grande Final, a pontuação máxima rumou à Macedónia do Norte, sendo seguida da vencedora da edição (e do painel português), Holanda, e da Noruega. Austrália e República Checa seguiram-se nas preferências, com a Rússia e Itália, países que ficaram no pódio eurovisivo, a ficarem em 9.º e em 13.º lugar, respetivamente, nas suas escolhas. Por outro lado, Grécia, São Marino e Islândia ocuparam as últimas posições na final.


Ana Paulo
A manager Ana Paulo, chefe do júri português, deu a pontuação máxima na semifinal à canção da Hungria, país que falhou o apuramento para a Grande Final e terminou em 4.º lugar na votação do painel português. A não-apurada Bélgica e a República Checa seguiram-se nas preferências, com a jurada a colocar também a Polónia (6.º) e a Finlândia (10.º) no top10. Por outro lado, as finalistas Austrália (11.º), São Marino (13.º), Islândia (15.º) e Grécia (16.º) ficaram de fora dos seus apurados.


Na Grande Final, a Holanda venceu a votação da chefe do júri português, sendo seguida pelas canções do Azerbaijão e da Eslovénia. A Austrália e a Sérvia seguiram-se nas preferências, enquanto a Itália e a Rússia ficaram em 12.º e 14.º lugar, respetivamente, na classificação da jurada. A Bielorrússia, que havia sido 4.ª classificada na semifinal, e Chipre, 8.ª na eliminatória, ficaram nas últimas posições, superando apenas a canção de São Marino.


Ana Cláudia
Finalista do Festival da Canção 2019, Ana Cláudia colocou a canção da República Checa no topo das preferências na semifinal 1 do Festival Eurovisão 2019. Eslovénia, que recebeu 8 pontos, e a Polónia, país semifinalista que ficou em 8.º nas preferências do painel, seguiram-se na votação da cantora. Bielorrússia e Austrália completaram o top5, com a Bélgica (6.º), país eliminado, a figurar no top10 da jurada. Por outro lado, Estónia (15.º) e São Marino (16.º), países apurados, ficaram nas últimas posições da votação da cantora.


Na Grande Final, a canção dos Lake Malawi voltou a receber a pontuação máxima de Ana Cláudia, o que fez com que a República Checa recebesse os 10 pontos do júri português. Holanda, vencedora da edição e da votação do painel, e Azerbaijão, terceira nas preferências do painel, figuraram no pódio da jurada, com a Eslovénia e Itália a seguirem-se na votação. Por outro lado, a Estónia e São Marino voltaram a ocupar os últimos lugares das preferências.


Matay
Vencedor da semifinal do Festival da Canção 2019, Matay deu à Hungria a primeira posição na semifinal 1 do Festival Eurovisão 2019, o que fez com que a canção, eliminada na semifinal, recebesse 7 pontos do painel português. República Checa e Grécia seguiram-se nas preferências, sendo que o último ficou de fora dos pontuados do júri português. Montenegro (9.º), país que foi eliminado e ficou em último no júri português, também marcou presença no top10 de Matay, enquanto Chipre (11.º) e Islândia (16.º), países finalistas, ficaram de fora dos favoritos do cantor.


Na Grande Final, a Holanda recebeu a pontuação máxima do jurado, sendo seguido pelo Reino Unido, país que ficou fora dos pontuados de Portugal, e Suécia, nono classificado no painel. França e Israel também registaram os melhores resultados na votação de Matay, enquanto Azerbaijão (11.º) e República Checa (14.º), terceiro e segundo classificados na votação, respetivamente, ficaram de fora das preferências de Matay. Por outro lado, Espanha, São Marino e Islândia ocuparam as últimas posições na votação do jurado português.


Paulo Castelo
A favorito de Paulo Castelo, produtor de rádio, na primeira semifinal do Festival Eurovisão 2019 foi a canção da Bélgica, tema eliminado na semifinal mas que recebeu a segunda maior pontuação do júri nacional. A Islândia, país que ficou fora dos pontuados de Portugal, e a República Checa seguiram-se nas preferências. Finlândia (7.º), Polónia (9.º) e Geórgia (10.º), países eliminados, ficaram no top10 do jurado, enquanto São Marino (12.º), Bielorrússia (13.º), Grécia (14.º) e Sérvia (15.º) ficaram de fora das preferências, enquanto Montenegro ficou na última posição.


Na Grande Final, a Suíça recebeu a pontuação máxima de Paulo Castelo, o que fez com que o país recebesse 1 ponto do júri português. Itália, quinto no júri português, e Noruega, sétimo, seguiram-se nas preferências, seguido da Islândia e República Checa. Espanha (8.º) e Albânia (10.º), países que ficaram nas últimas posições do painel português, ficaram no top10 de Paulo Castelo, enquanto a Holanda, vencedora da votação e da competição, ficou em 22.º lugar nas preferências do jurado. Contudo, Israel, São Marino e Sérvia ocuparam as últimas posições da votação de Paulo Castelo.



Este e outros artigos também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte/Imagem/Vídeo: Eurovision.tv

23 comentários:

  1. Ó Matay, o Montenegro no 9ºlugar? O que é que tu bebeste, filho?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo20:37

      Água? A tua vodka tava boa?

      Eliminar
    2. Anónimo23:33

      ò Ana Paulo, a Austrália em 11º lugar na semifinal, mas em 4º na final? O que é que bebeste, filha? (Este comentário é tão elegante ou deselegante como o primeiro).

      Eliminar
    3. Arrependimento a quanto obrigas.

      Eliminar
    4. Muito bom. Podem ter cometido algumas avarias mas o que não deixa de ser verdade é que acertaram no vencedor. Só por isso já não ficaram mal vistos. Eles deram 10 aos checos mas houve quem desse os 12 mais do que uma vez e isso até acaba por disfarçar o exagero do segundo lugar dado ao amigo do amigo do amigo... O que conta não é jurado por jurado, é a soma de todas as tropelias que fizerem.

      Eliminar
  2. Anónimo20:37

    Paulo Castelo o amante da pimbalhada pop descartável.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo21:07

      Porque? só porque pôs san marino em 12º? Enquanto os outros afundaram os islandeses como seria esperado, ele foi dos poucos que pôs a Islandia num bom lugar, nao foi preconceituoso nesse aspecto. E outros puseram a pimbalhada versao balada em bons lugares. Parabens ao Paulo.

      Eliminar
    2. Anónimo08:27

      Se virmos atentamente as votações que atribuiu na semifinal e na final, concorde-se ou não com elas, foi o mais coerente, juntamente com Ana Cláudia. Mesmo que não tenhamos assistido aos espetáculos em que os júris votavam, é impossível que certas canções tenham mudado tanto (letra, música, interpretação, marcação em palco) da semifinal para a final, de modo a justificarem-se tantas alterações. Não me refiro, evidentemente, ao facto de haver preferências, absolutamente legítimas, por outras da segunda semifinal: refiro-me a mudanças substanciais na ordem de classificação entre as da primeira semifinal e o seu posterior posicionamento na votação da final. Paulo Castelo foi coerente nas votações. E votou de acordo com o seu gosto (que até nem sempre foi o meu).

      Eliminar
  3. Anónimo20:39

    O que é que esta gente sabe de ESC?
    E o que aconteceria em Portugal se canções como a da Bielorússia, Montenegro ou Islândia aparecessem no Festival da Canção?

    ResponderEliminar
  4. Anónimo21:02

    Deviam acabar com estes júris incompetentes. Alguns colocaram em 1º lugar canções que tiveram péssimos resultados e que não justificam a escolha do júri nem pela afinação, nem pela letra (algum dos elementos do júri entende húngaro?), nem pela melodia, nem pelo staging... Enfim... Alguns estiveram muito mal.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo23:06

      Por essa lógica Portugal também não receberia pontos do júri... O seu comentário não faz de todo sentido

      Eliminar
    2. Anónimo23:57

      O que é que isso tem a ver com o nosso juri? Aceitem que doi menos. Se os vossos favoritos tivessem recebido mais pontos do juri do que do televoto nem piavam. Menos hipocrisia.

      Eliminar
  5. Anónimo21:04

    Votaram muito bem no geral, gostei. Mas achei injusto o ultimo lugar que quase todos deram à Islandia. Não seria muito diferente do que aconteceria se uma proposta daquelas aparecesse no Fdc...

    ResponderEliminar
  6. Anónimo21:10

    Claro que o Matay tinha de pôr suecia no top5

    ResponderEliminar
  7. Anónimo21:42

    Pergunto me se a Bélgica e a Bielorrussia terao sido assim tao melhores no jury show. É que na gala ao vivo foram ambos de uma desafinação atroz! Não consigo perceber

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo23:59

      o jury show é sempre diferente da final, acho ridiculo julgarem os votos do juri quando nem sequer vimos como correu.

      Eliminar
    2. Anónimo13:01

      Acho ridiculo não saberes ler o que escrevi

      Eliminar
  8. Anónimo10:24

    Acho extraordinário este amor consensual do júri pela canção da Bielorrússia. O epíteto da música básica e anódina.

    ResponderEliminar
  9. Estes jurados... Oh Mon dieu!!! O que entristece é que não é uma anedota...

    ResponderEliminar
  10. Anónimo08:27

    E meia-dúzia de privilegiados decidem tanto como milhões de espectadores. 100% televoto!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo17:00

      Estes meia duzia de privilegiados votaram melhor que os espectadores. Alias, se fosse só 100% Portugal nao teria ganho com o Sobral. Parem de dar vergonha alheia.

      Eliminar
  11. Obrigado da Suíça... a musica está muito boa, impossivel de nao a dançar 👍🤩

    ResponderEliminar
  12. Anónimo17:00

    Ainda bem que puseram Espanha e San Marino nos ultimos lugares, foi merecido. Um bem haja ao nosso juri e que para 2020 votem assim.

    ResponderEliminar