ESC2019: LRT questiona a EBU/UER sobre o televoto de Itália


A emissora lituana LRT entrou em contacto com a EBU/UER sobre a polémica em torno do televoto de Itália na semifinal do Festival Eurovisão 2019: "O compositor e o intérprete poderão reivindicar uma compensação financeira".

Depois da polémica em torno do televoto de Itália na segunda semifinal, a emissora lituana LRT confirmou que entrou em contacto com a União Europeia de Radiodifusão (EBU/UER) para pedir esclarecimentos sobre o assunto. "A situação é realmente interessante (...) Nós, enquanto emissora, temos condutas morais e de classificação, o que poderá ser o suficiente para reconhecer o erro" frisou o chefe de delegação em relação à polémica em torno do televoto italiano na semifinal, cujos valores revelados pela RAI não coincidem com os da EBU/UER e que poderiam ter colocado a Lituânia na Grande Final.


O chefe de delegação garante ainda que a EBU/UER poderá ter de pagar uma indemnização à comitiva lituana: "O compositor e intérprete poderão reivindicar uma compensação financeira razoável. Quando a música é apresentada a um público tão abrangente, os lucros dos direitos de autor por a música tocar duas vezes é significativamente maior do que quando toca apenas uma vez.". 

Por outro lado, Jurij, representante lituano em Telavive, coloca-se à margem da discussão: "Eu fiz tudo o que pude, mas aconteceu como aconteceu. Aqueles que disputaram a Grande Final foram merecedores disso e eu não vejo a necessidade de discutir isto ou de privá-los do seu lugar".


Este e outros artigos também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: Eurovoix/Imagem/Vídeo: Eurovision.tv

6 comentários:

  1. Pois é, qualquer dinheirinho que venha a mais é sempre bem-vindo. Vamos ter polémica até para o ano, não é por causa da canção prestar ou não, é por causa dos lucros como se diz aqui.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo13:48

      Só quando se fala em dinheiro é que a EBU faz alguma coisa

      Eliminar
  2. Anónimo12:55

    No próximo ano o televoto da Itália será uma combinação dos resultados dos votos de países incluídos no mesmo pote. Ah, desculpem… Li mal: é a Itália; não acontece nada.

    ResponderEliminar
  3. Anónimo16:13

    La única forma de compensar tanto fraude en la UER es que Jon Ola Sand y Christer Björkman dimitan ya de una vez, porque es descarado cómo el objetivo de cada norma que introducen, es simplemente para beneficiar a Suecia.

    Polonia y Lituania, que son los perjudicados de tanto fraude por la UER, deberían tener su clasificación directa para Eurovision 2020.

    ResponderEliminar
  4. Anónimo16:51

    LOL esta organização foi terrivel. Só drama.

    ResponderEliminar
  5. Anónimo18:26

    Há que distinguir entre erros da produção israelita (houve-os, certamente) e outro tipo de falhas. A comunicação antecipada dos resultados da semifinal por parte do júri da Bielorrússia, a comunicação errada dos votos "combinados" para serem transmitidos em nome do "júri" bielorrusso na final e a agora detetada confusão na divulgação dos resultados do televoto italiano na segunda semifinal não foram erros da produção local do espetáculo.

    ResponderEliminar