Rui Maria Pêgo: "O Conan tem que tomar a decisão que para ele fizer sentido"


Rui Maria Pêgo comentou, nas redes sociais, o pedido de boicote de Roger Waters a Conan Osíris ao Festival Eurovisão 2019: "Ele tem que fazer aquilo que ele entender, não deve ser uma coisa ditada pelo país".

Através do Instagram, Rui Maria Pêgo, um dos responsáveis pela cobertura do Festival Eurovisão 2018 nas redes sociais da RTP, comentou um dos assuntos do momento: o pedido de Roger Waters a Conan Osíris para boicotar o Festival Eurovisão 2019. "Acho que o Conan vai ter uma dificuldade imensa em escolher. Ele tem que fazer aquilo que ele entender, não deve ser uma coisa ditada pelo país. Mas é ingénuo achar que o que vai acontecer não vai ser político. É difícil de dizer porque por um lado acho importante que alguém como o Conan exista naquele contexto e seja uma demonstração de diversidade para o mundo inteiro, com um espetáculo que é visto por centenas de milhões pessoas" referiu, realçando que "De facto, acho que se pode fazer mossa reagindo, mas também se faz mossa estando em direto. E estando lá em direto podes transmitir a tua mensagem".

Por fim, o apresentador explicou também que "Israel tem um política de agressão, colonização, violência que depois gera violência... Não consigo comentar isto em 15 segundos." rematando que "O Conan tem que tomar a decisão que para ele fizer sentido".




Esta e outras notícias também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: Sapo / Imagem: Sapo / Vídeo: Eurovision.tv

18 comentários:

  1. Anónimo23:10

    Mas ainda há dúvidas que o gajo não vai representar Portugal?

    ResponderEliminar
  2. Anónimo05:03

    Vamos lá ver se nos entendemos. Todos os que concorreramao festival sabiam que a consequência era ir a Telaviv representar Portugal na Eurovisão. Isto já não é uma decisão do Conan Osiris. É uma responsabilidade da RTP e em última análise, do próprio Governo português. E para os que dizem queo governo não tem nada a ver com isso, é só pensar como ficam as relações políticas e diplomáticas com Israel, independentemente da natureza do seu regime, se Portugal for o único a boicotar expressamente por motivos políticos. A parte do show é apenas naquelas 3 horas de espectáculo. Tudo o resto, queiram ou não, é altamente político.

    ResponderEliminar
  3. Paulo Morais05:51

    Esta história Israel/Palestina tem muito que se lhe diga e culpas e muitos interesses das 2 partes intervenientes e de muitos outros espalhados pelo Mundo...
    Politicas e histórias à parte, acho que o Conan deve ir e estar presente em Telavive.

    ResponderEliminar
  4. Anónimo07:37

    Rui Maria Pego, um entendido no Festival Eurovisão e no mundo da música. Profissão: filho de Júlia Pinheiro. 😂

    ResponderEliminar
  5. Anónimo07:51

    Que mania! Deixem o rapaz em paz! Ele é simplesmente um cantor, está a participar num concurso. Ponto final! Ele sabia desde o princípio que era em Israel. Eu não concordo com a política do país, mas ele desistir agora não vai salvar vida nenhuma nem valorizar a imagem dele ou de PT. Quem apela ao boicote é que vai aguentar com a onda de choque na vida dele, se desistisse agora? Quem está assim tão interessado, vá manifestar ás portas de embarque nos aeroportos, pois quem viaja para Israel também podia fazer o jeitinho e evitar...

    ResponderEliminar
  6. Anónimo08:19

    Mas qual decisão??? Vocês acham mesmo que ele iam desistir? Ele assinou um contrato com a RTP mesmo antes do FC, a RTP exige isso a todos os concorrentes para participarem e onde esta explicitamente que o vencedor tem de ir a Eurovisao. Nao e como a da Ucrania que so assina contrato depois. A RTP nunca ia permitir que ele desistisse.. Ia arriscar se a pagar uma multa enorme da EBU

    ResponderEliminar
  7. Anónimo08:36

    Ainda ocntinuam com isto, que coisa.

    ResponderEliminar
  8. Anónimo08:57

    Mas está gente ainda não percebeu que o ESC é bum festival de música e entretimento?! Não consigo perceber está necessidade de fazer política dos artistas. Os artistas devem fazer a sua arte não andarem a fazer política. Além disso o ESC é da EBU (Europa) e não dá KAN (Israel) logo boicotar ou mandar mensagens políticas que são proibidas no ESC seria boicotar Portugal e boicotar a EBU e não Israel. Se eles fizessem isso num concerto deles tudo bem, agora são convidados para ir a casa da EBU para depois desrespeitarem as regras?! E que tal irem lá cantar e dançar que foi isso que o público votou para eles la irem e deixarem a política para os políticos que foram votados pelos portugueses para fazerem política. Cada macaco no seu galho.

    TACV

    ResponderEliminar
  9. Anónimo09:20

    Mesmo assim em 15 segundos disse muito. Aconselhar-lhe-ia (até porque se sabe que gosta muito de viajar) que visitasse Israel e depois um país árabe e analisasse o que visse, transmitindo-o aos seus seguidores.

    ResponderEliminar
  10. Desculpem??? Participou no festival rtp da canção que foi criado para escolher a canção que irá representar Portugal na Eurovisao....e agora não que ir? Ele é que sabe?...Patetice

    ResponderEliminar
  11. A opinião do Rui Pego é mt estranha..
    so ele sabe, o país não deve decidir por ele? Ele so vai lá porque é portuguÊs e existe Portugal para ser representado.
    Ja agora alguem que diga ao Rui que a partir do momento em que o Conan for, já não ha mais mensagem política nem nada que ele possa fazer sem ser obviamente desclassificado!!!

    ResponderEliminar
  12. Hoje em dia parece que vivemos no reino da fantasia em que há quem julgue que se pode fazer aquilo que se quer e não o que é obrigação fazer.E mais não digo...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo18:30

      E não precisa dizer mais, porque o que disse é, infelizmente, verdade. Rui Maria Pego tem - e ainda bem para ele - uma situação financeira que lhe permite esquivar-se a obrigações. E, por isso, "fala de cátedra". Pelos vistos, participa-se num concurso em que repetidamente se diz aos espetadores para votarem na canção que representará Portugal, mas depois cada um representa-se a si mesmo e decide por si mesmo "a posteriori". Será que os participantes no FC esperavam que a situação no Médio Oriente se resolveria entre fevereiro/março e maio (data do ESC)? Voltando a Rui Maria Pego: se não fosse filho de quem é, teria as oportunidades que tem tido na comunicação social?

      Eliminar
  13. Anónimo19:00

    Festival da canção e a política seguem caminhos separados pelas regras do concurso. Haja boa organização e segurança, é o que se espera.

    ResponderEliminar
  14. Anónimo22:31

    Rui, vai para a Palestina com o teu namorado, beijem-se na rua e depois diz-me como correu.

    ResponderEliminar
  15. Anónimo14:44

    Rui Maria Pêgo deveria tomar a decisão de estar calado!

    ResponderEliminar