[ESPECIAL] Os 55 anos de Portugal no Festival Eurovisão


Portugal fez a sua estreia no Festival Eurovisão a 21 de março de 1964, há precisamente 55 anos. O ESCPORTUGAL convida-o a recordar alguns dos momentos mais marcantes da história de Portugal no concurso internacional.


A 21 de março de 1964, o Tivolis Koncertsal, em Copenhaga, recebeu a 9.ª edição do Festival Eurovisão, certame que contaria pela primeira vez com a participação de Portugal. António Calvário e "Oração" foram os escolhidos para representar o país, terminando em último lugar, juntamente com a Alemanha, Suíça e Jugoslávia, não tendo recebido qualquer pontuação. Além disso, a edição ficaria marcada por uma invasão de palco no fim da atuação helvética em protesta com as participações de Portugal e Espanha no evento, numa época em que os dois países eram governados por regimes ditatoriais.



No ano seguinte, Simone de Oliveira e "Sol de Inverno" foram os escolhidos para representar Portugal no Festival Eurovisão em Napóles, ficando na história como a primeira candidatura portuguesa a ser pontuada. "Sol de Inverno" recebera 1 ponto do Mónaco, equivalente ao 3.º lugar na votação do país, terminando o concurso em 13.º lugar entre os 18 países participantes.



No entanto, a primeira entrada de Portugal no top10 do Festival Eurovisão apenas aconteceria em 1971, naquela que foi a sua sétima participação. Tonicha e "Menina do Alto da Serra" representaram Portugal em Dublin, terminando a edição em 9.º lugar com 83 pontos, tendo recebido a pontuação máxima do júri de Espanha.


Apesar do último lugar no Festival Eurovisão de 1974, Paulo de Carvalho e "E Depois do Adeus" ficaram na história do concurso europeu. A canção, que apenas recolheu 3 pontos no formato internacional, foi a escolhida pelo Movimento das Forças Armadas (MFA) como uma das senhas para a movimentação de tropas a 24 de abril de 1974, o que levou à queda do regime ditatorial que governava Portugal há várias décadas.


Naquele que foi o primeiro ano em que foi utilizado o sistema base de votação do concurso (1-8, 10 e 12 pontos), Portugal recebeu a primeira pontuação máxima. Os primeiros doze pontos portugueses no concurso vieram da Turquia, com Duarte Mendes e "Madrugada" a terminarem em 16.º lugar com 16 pontos... depois de ter sido o 16.º a subir ao palco eurovisivo.



José Cid e "Um Grande, Grande Amor" foram os representantes de Portugal no Festival Eurovisão de 1980 em Haia, cidade holandesa que organizou o concurso depois da recusa israelita em organizar o concurso em dois anos consecutivos. Com o refrão interpretado em várias línguas, a canção portuguesa foi apontada por muitos como uma das favoritas ao triunfo: no final, José Cid ficou-se pelo 7.º lugar com 71 pontos, um dos melhores resultados de sempre de Portugal.


Décima-quarta classificada entre vinte países, Dora fez furor pela Europa com a participação no Festival Eurovisão de 1986. O arrojado visual utilizado na Noruega foi capa de revista em diversas publicações internacionais e "Não sejas mau pra mim" ficou eternizada na história de Portugal.



Depois do discreto 18.º lugar na ronda preliminar de apuramento, Lucia Moniz e "O meu coração não tem cor" surpreenderam tudo e todos com a classificação em Oslo. A canção portuguesa subiu ao 6.º lugar com 92 pontos, tendo sido a favorita de Chipre e Noruega, tornando-se a melhor classificação de Portugal no concurso até 2017. No entanto, "O meu coração não tem cor" nunca foi gravado em disco...


Depois de quatro eliminações consecutivas nas semifinais, Vânia Fernandes e "Senhora do Mar" tornaram-se os primeiros representantes de Portugal numa Grande Final do Festival Eurovisão desde a introdução das semifinais. A canção portuguesa apurou-se no 2.º lugar na semifinal, tendo terminado em 13.º lugar com 69 pontos na Grande Final, no último ano em que a votação esteve totalmente a cargo do televoto.


13 de maio de 2017: uma data que nenhum eurofã português esquecerá. Depois do apuramento para a Grande Final, o primeiro desde 2010, Salvador Sobral e "Amar Pelos Dois" conquistaram, em Kiev, a primeira vitória de Portugal no Festival Eurovisão. Com a marca recorde de 758 pontos e 30 pontuações máximas (18 do júri e 12 do público), Portugal perderia o título de país com mais participações e nenhuma vitória.



Praticamente um ano depois da vitória de Portugal em Kiev, Lisboa receberia o Festival Eurovisão de 2019. 43 países participaram no concurso que foi ganho por Israel, enquanto Portugal, representado por Cláudia Pascoal e "O Jardim", terminaria em último lugar na Grande Final com 39 pontos.



Esta e outras notícias também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: ESCPORTUGAL / Imagem: Eurovision.tv / Vídeo: Youtube

16 comentários:

  1. Anónimo18:27

    Portugal passou das odds da semi final de 8 lugar para primeiro que estranho ... deve ser um bug

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo19:10

      Não é estranho, o top das semifinais está muito volátil e os países andam constantemente a mudar de luagres.
      Curiosamente o atual top 10 da primeira semifinal têm sido o mesmo praticamente do dia em que abriu

      Eliminar
  2. Não podemos ser um dos melhores países da ESC de sempre mas há uma cosia é certa, Portugal quase sempre enviou belas canções a Eurovisão, estão aqui alguns exemplos, podiamos muito bem ter ganho uma dessas canções (Antes amar pelos dois), sabe lá porque não ganhamos, e Por mais temos muitas criticar a RTP sobre certas participações falhadas da Eurovisão, há uma cosia não podemos criticar a RTP, a RTP Nunca ter deixado cair o projeto da Eurovisão por terra, mesmo nos maus momentos, a RTP nunca desistiu a Eurovisão, isto não podemos criticar sobre RTP. Desejo nos proximos 55 anos que sejam melhores!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo20:17

      Na ditadura não ganhamos porque o regime não queria estrangeirada em Portugal. Depois foi a falta de infraestruturas. Também só nos anos 90 é que Portugal começou a "ressurgir" e com isso veio a possibilidade de criar infraestruturas capazes de receber grandes eventos

      Eliminar
    2. Anónimo21:04

      As infraestruturas necessárias em 2019 não são as mesmas que eram necessárias no passado. Se Portugal tivesse ganho com Playback em 81, por exemplo, bastaria um espaço com uma lotação de 2000 lugares ou superior, já que, segundo a wikipédia, era a essa a lotação do auditório que recebeu a eurovisão 82 em Harrogate, no Reino Unido.

      Eliminar
  3. José Luís20:34

    Por acaso, tirando uma ou outra musica nos anos 2000's (que alias foram terríveis para Portugal mto por culta da falta de ambição da RTP!) até tenho orgulho nas musicas de Portugal. Este ano vai ser uma incógnita, mas seja qual for o resultado eu estou orgulhoso da musica fora da caixa do Conan, oxalá faça boas escolhas para apresentação ao vivo no ESC.

    ResponderEliminar
  4. Anónimo21:13

    Portugal tem trazido canções ao Esc que deixam muito a desejar, e horríveis, tais como:

    - 1974; 1977; 1980 (foi injusto o seu 7º lugar, merecia bem pior); 1996 (merecia pior); 1999; 2003; 2011; 2017 e 2018.

    Pelo contrário, Portugal também é igual a qualquer outro país no Esc, traz uns anos más canções e outros anos boas canções.
    Se era para ganhar Portugal, então devia ter ganho em 1984, ou em 1985, ou em 1987, ou em 1989, ou em 1990, ou em 1994, ou em 2008, ou em 2009, ou em 2010, ou em 2012, ou em 2014.
    Pois estas canções eurovisivas portuguesas são mais dignas de vitória de que a canção do Salvador Sobral em 2017.
    No Esc 2017, Portugal tem a segunda pior canção da sua semi-final 1 num total de 18 canções, apenas supera a Austrália que é o país com a pior canção da semi-final 1 do Esc 2017.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo22:46

      É a sua opinião...vale o que vale... respeito... mas estou muito longe de concordar... diria até que estamos en lados opostos lol

      Eliminar
    2. Anónimo12:00

      Hoje é dia 1 de abril ? é que tudo isto parece mentira ...

      Eliminar
  5. José Luís01:22

    anónimo das 21h13
    O teu comentário é a maior piada de sempre, olha que já vi muitos maus comentários aqui!

    ResponderEliminar
  6. Anónimo11:28

    ESCPortugal, onde é possível consultar as classificação nas eliminatórias de 1996? Desconhecia o 18.º lugar da Lúcia Moniz.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Anónimo

      Aqui fica: https://www.esc-history.com/semilist.asp?search=1996

      Eliminar
  7. Tonicha e a sua Menina que foi feita à sua medida, é uma obra prodigiosa do grande poeta Ary e do compositor fantástico Nuno Nazaré Fernandes. O 9º lugar ainda por cima empatado com o Tom Tom da Finlândia chega a ser um insulto. O que se há-de fazer quando numa canção se diz que todos têm um banco, uma árvore, uma rua e há uma Menina que habita no alto da serra.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo22:34

      O Tom Tom foi em 1973, tome o Memofant.

      Eliminar
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
  8. Anónimo16:04

    Isto é um artigo de opiniao? Se sim deveria estar indicado. Se não ha falhas gravíssimas, nomeadamente a dulce pontes, doce e paiao.

    ResponderEliminar