ESC2019: John Lundvik entra para a história do Festival Eurovisão


Pela primeira vez em mais de 60 anos de competição, um intérprete a concurso no Festival Eurovisão será também o compositor da canção de outro país.

Ao longo da história do Festival Eurovisão, vários artistas representaram países diferentes e compositores tiveram mais do que uma canção numa edição... Contudo, em mais de 60 anos de história, nenhum um intérprete a concurso no Festival Eurovisão foi também o compositor da canção de outro país. Mas tal acontecerá em 2019.

John Lundvik, vencedor do Melodifestivalen 2019, representará a Suécia em Telavive com "Too Late For Love", canção composta por si em conjunto com Anderz Wrethov e Andreas Stone Johansson, sendo também um dos responsáveis por "Bigger than Us", canção representante do Reino Unido, que será interpretada por Michael Rice. A canção, composta por Laurell Barker, Anna-Klara Folin, John Lundvik e Jonas Thander, foi escrita originalmente para ser interpretada no Melodifestivalen 2019 por John Lundvik, artista que optou por defender "Too Late For Love".






Esta e outras notícias também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: ESCPORTUGAL / Imagem/Vìdeo: eurovision.tv

6 comentários:

  1. Por acaso, musicalmente não são muito diferentes, principalmente no que à variedade e qualidade diz respeito.

    ResponderEliminar
  2. Anónimo01:15

    O Reino Unido com a indústria musical que tem não tem vergonha de se fazer representar por uma canção rejeitada do melodifestivalen ?

    ResponderEliminar
  3. José Luís03:21

    Penso que muito facilmente esta musica da Suécia será vencedora, para mim a proposta mais profissional e mais bem conseguida até agora. Apresentação imaculada em palco. Conan não terá tarefa nada fácil a fasquia está muito alta este ano...e depois temos Rússia e Itália, também musicas altamente trabalhadas. A musica do Conan soa-me a crua às vezes, parece que falta algo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo11:39

      Se Conan conseguir, nem digo vencer, mas um top 5 vai ser uma vitória comparável à de David contra Golias.
      Os outros países têm equipas de compositores, estúdios de alta gama, especialista em staging e dinheiro com fartura. Depois temos o Conan, músico autodidata, que gravou a voz com o telemóvel e compôs através do fl studio no pc, tudo sozinho, também quanto ao staging parece ser ele o que está por trás do conceito e a rtp não têm muita liberdade no orçamento.

      Eliminar
  4. Anónimo11:13

    Pessoalmente adoro o John Lundvik. Mas adorava a proposta do ano passado. Minha favorita do Melodifestivalen e teria sido a minha favorita no ESC caso tivesse ganho.

    Agora esta canção.... meh. é muito plastica e não mostra a verdade que vi na canção de 2018.Sinceramente acho que ao John ficava melhor a Bigger Than Us (apesar de repetitiva).

    No ESC as duas canções parecem tanto o mesmo estilo que correm o risco de se anularem

    ResponderEliminar
  5. O homem forte do Melodi tinha avisado que este ano pelo menos quatro das canções selecionadas teriam grandes hipóteses de sairem vencedoras no concurso da Eurovisão. Entretanto o Melodifestivalen chegou ao fim e encontrou a sua representante e se ele acha que isto é uma forte candidata é porque a idade já lhe afetou os ouvidos. Bem sei que o festival este ano está com um nível baixíssimo e ainda há pouco descobri duas músicas que têm frases musicais de concorrentes anteriores. A canção da Noruega tirou da finlandesa e a da Moldávia de uma música que eu conheço perfeitamente devido a gravações que eu ainda guardo mas de momento não sou capaz de identificar de memória, teria que procurar nos meus arquivos e não me apetece. Até porque nem merece o trabalho. Realmente fiquei estarrecido por tamanha ousadia de se aproveitarem de composições alheias só porque julgam que mais ninguém as reteve ou as voltou a ouvir. Agora é que eu vejo a desonestidade que há neste meio. Faz falta um regulador com competência para acabar de vez com este tipo de fraudes.

    ResponderEliminar