[ESPECIAL] Portugal: Fique a conhecer melhor os intérpretes do Festival da Canção 2019


A 1.ª semifinal do Festival da Canção tem lugar já no próximo sábado. Fique a conhecer melhor os intérpretes das oito canções a concurso.

Ana Cláudia
A intérprete de Inércia, canção composta pelos D'Alva, é Ana Cláudia Gonçalves. Nascida em Lisboa, é cantora, tendo estudado jazz na Escola Superior de Música de Lisboa, e Artes e Animação Circense, na Escola Profissional de Artes e Ofícios do Espetáculo. O seu primeiro projeto foi o grupo Tucanas, do qual fez parte até 2008. Editou o seu primeiro trabalho a solo em 2014, o EP intitulado De Outono (que foi produzido por Ben Monteiro, membro dos D'Alva). 


João Campos
João Campos foi a voz escolhida pelos DAMA para interpretar É O Que É na 1.ª semifinal do Festival da Canção 2019. João Campos nasceu em Lisboa e me abril de 1973. Apesar de ter uma licenciatura em Ciência Política, o sonho de seguir carreira diplomática foi ultrapassado, quase por acaso, pela vida em palco. Gravou discos, casou e teve um filho. Com 42 anos e quase 20 de carreira na área do entretenimento, está tudo sempre a começar. Participou nos concertos Ídolomania 2010. Em 2016 interpreta com Martim Vicente a canção Meu Amor de Não Amor.


Soraia Tavares
Soraia tem 24 anos, é atriz e vem de Carnaxide. Frequentou a Escola Superior de Teatro e Cinema e faz parte do elenco de diversas telenovelas. Tem feito vários musicais e é nesse âmbito que costuma cantar. Está no mundo da música desde os 16 e, como formação, tirou um curso de teatro musical. Participou no The Voice Portugal em 2015. O seu género de eleição é o soul e como artistas preferidos cita Beyoncé, Alicia Keys, HMB, Etta James, Rui Veloso… É a intérprete de O Meu Sonho, tema composto por Lura.


Calema
Os Calema decidiram assumir a interpretação da sua própria canção no Festival da Canção. Fradique e António Mendes Ferreira, nasceram em São Tomé e Príncipe, respetivamente em 1987 e 1992. Calema significa uma especial ondulação na costa Africana, como as ondas ao chegar a praia trazem consigo sempre alguma coisa. Desde muito cedo participaram em vários concursos vencendo Lusartist e onde começaram a trabalhar o disco de estreia “Bomu Kêlê”. Em 2018 tiveram um ano bastante intenso, com mais de cem concertos apresentados em doze países.


Conan Osíris
Conan Osíris é o nome artístico de Tiago Miranda. Teve a sua estreia discográfica em 2016 com o álbum “Música Normal”. Explicou então que “Música normal é qualquer música que dê pra ser absorvida por um ser vivo. Música normal é uma música que dá para o que a pessoa quiser: rir, chorar, dançar, viajar, tomar banho.” Em 2018, e já depois de ter lançado um segundo álbum, ao qual chamou “Adoro Bolos”, fez a sua estreia televisiva numa participação do programa da RTP “5 Para a Meia Noite”. É autor, compositor e também produtor das suas canções. Nasceu em de Lisboa e aprendeu música sozinho. Estudou arte e design e  trabalhou na mais antiga sexshop de Portugal. Esta é à sua estreia no Festival da Canção, interpretando a sua própria criação Telemóveis.


Ela Limão
Ela Limão é o pseudónimo de Rita Laranjeira, intérprete de Mais Brilhante Que Mil Sóis. Mulher de mil facetas, fotógrafa, diretora de fotografia, bailarina e mais recentemente cantora. Hoje faz parte dos Mirror People, com quem já pisou palcos como Super Bock Super Rock, BONS SONS, entre outros. Fez coros para algumas bandas, entre elas, Flak (seu compositor) e The Happy Mess. Ela Limão é a materialização do primeiro passo da carreira a solo de Rita.


Filipe Keil
Tiago Filipe Pinheiro Batista (nascido em Chaves em 1991) é um cantor, compositor, letrista, produtor musical e arquiteto que se apresenta com o nome artístico Filipe Keil. Desde cedo mostrou interesse pela música e o piano foi o primeiro instrumento que o cativou. Em 2006 escreveu a sua primeira canção – Só Quero Um Mundo Melhor. Foi com essa canção que concorreu ao Festival da Canção Júnior. Em 2007 mudou-se para Silves onde fez o ensino secundário em Artes Visuais e em 2009 partiu para Lisboa para fazer um mestrado integrado em Arquitetura. Formou a sua primeira banda, os Copycats. Em 2013 lançou o single de apresentação, Kind of Funny e participou no programa de talentos Factor X. Compôs o seu primeiro disco a solo em 2014, o EP “Keil”, produzido em parceria com Liberdade (Gustavo Almeida). Em 2017, lançou um single e um EP de temas acústicos e participou no programa “Masterclass” da Antena 1. Esta é a sua estreia no Festival da Canção, sendo o intérprete da sua própria canção.


Matay
Rúben Matay Leal de Sousa nasceu a 24 de julho de 1986 em Cabo Verde. Licenciou-se em animação sócio-cultural e atualmente trabalha na Santa Casa da Misericórdia de Lisboa. As suas principais referências musicais são Aretha Franklin, Ray Charles, James Brown, Marvin Gaye e Otis Redding. Ao longo da sua carreira fez parte de vários projetos musicais, tendo participado no Soul Gospel Project e no Gospel Collective. Fez também coros nos concertos de Ana Semedo e Dengaz. O seu primeiro êxito foi o tema Dizer Que Não, em 2015, em colaboração com Dengaz. O single O Que Tu Dás foi escolhido para fazer parte da banda sonora de uma telenovela. Em 2018 lançou Não Chores Mais, uma colaboração com Agir. Matay foi escolhido por Tiago Machado para interpretar Perfeito na 1.ª semifinal do Festival da Canção 2019.


Este e outros artigos também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte e Imagem: ESCPortugal

3 comentários:

  1. Anónimo23:35

    O Adoro Bolos é o terceiro albúm.
    Ele antes do "Música, Normal"(2016) têm o "Silk"(2014), onde publicou as músicas que compôs para alguns desfiles do Moda Lisboa e onde se encontra a música "Amália", primeira música cantada em português (gravada com o microfone do singstar).
    Antes disso também teve o projecto "Powny Lamb" com a Sreya, projeto de dj set e remixes. "Jesus" e "YEAH YEAH YEAHS VS POWNY LAMB - MAPS OF LOVE" são as músicas mais "conhecidas", ambas fazendo parte do ep "Cathedral" (2011).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo14:15

      Tenho de me corrigir, as músicas do Conan já se encontram disponíveis no spotify e os únicos alguns são "Adoro Bolos" e "Música, Normal".
      O "Silk" é apenas um ep.

      Eliminar
    2. Anónimo14:25

      *ou únicos albúns

      Eliminar