[ZONA DE DISCOS #75] Anna Rossinelli - "White Garden"


Todas as semanas no ESCPORTUGAL, a crítica aos álbuns editados por artistas que participaram no concurso Eurovisão da Canção e/ou seleções nacionais ao longo dos anos. 
Esta semana, a análise recai no novo disco do trio Anna Rossinelli.
O responsável da rubrica é Carlos Carvalho.


Lançamento: 18 de janeiro de 2019
Nota: 8/10
 4 álbuns no top 10, incluindo um #1, é, de modo sintetizado, o sucesso comercial do trio Anna Rosssinelli após o último lugar na final da Eurovisão de 2011, provando que aqueles 3 minutos (ou 6) por muito bons ou amargos que sejam na hora da votação, são apenas um degrau na aspiração de uma carreira. O importante é aquele tempo de exposição mundial, em modo direto, seja o mais profissional possível até porque será inscrito na história, não só do próprio artista, como também na do maior concurso de música e, por último e com grande simbolismo, na memória do país que representa.
O trio Anna Rossinelli tem perseguido o seu caminho singular e depois da aventura americana em “Takes two to tango”, lança aquele que até ao momento é o seu trabalho mais radio friendly, pelo menos é esta a impressão original despoletada com a audição do primeiro single – “Hold your head up” (#3) – e o fantástico tema de abertura, “Eyes closed”. Mas há aqui um toque de classe conjugado com nuances sonicamente distorcidas que lhe dão um distintivo num som que tememos ser demasiadamente genérico. Os familiares sons gipsy do trio Rossinelli, bem presentes nos trabalhos anteriores, abrem alas a uma versão mais dançante, presente, por exemplo, no tema título do disco, “White Garden”, num universo popularizado pelos Moloko.
A experiência com os sons continua com o retro feeling soul e RnB em “Jewellery” (#5), a electronic soul  em “Sing for silence” (#6) e “Feel it” (#7), ou ainda através da bem-vinda guitarra em “Come alone” (#9) e a electro pop de “Run” (#10). “Union” (#4) e “Two hearts in my chest” (#12) dão a dose laid back a um registo sólido em termos de produção, composição e interpretação.
Para os aficionados dos trabalhos anteriores, a veia excessivamente pop e electrónica deste “White Garden” poderá ter um efeito repelente, mas para quem é adepto de bem sucedidas experiências vai sentir-se confortável com o ambiente preparado pelo trio de Basel. Pop com pompa e um toque de classe assente numa dinâmica diferente mas em nada dissonante com a entidade do grupo, evitando, assim, algum sinal de saturação.
Com “White Garden”, Anna, Georg e Manuel, continuam a ser uma máquina bem oleada que já tem um lugar sedimentado no universo musical do seu país, sendo ainda suficientemente jovem para aspirar a voar fora de portas.
Irá “White Garden” manter ininterrupto o itinerário de top 10s conseguido desde 2011? Queremos acreditar que sim.

Temas promocionais (Não por ordem de lançamento)
"Hold your head up”

Temas destacados por Carlos Carvalho: “Come alone” e “Run”


Alinhamento
Eyes Closed
White Garden
Hold your head up
Union
Jewellery
Sing for silence
Feel it
Heroine
Come alone
Run
Two hearts in my chest


Pode ouvir o disco AQUI


Esta e outras notícias também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: OPINIÃO CARLOS CARVALHO / Imagem: GOOGLE / Vídeo: YOUTUBE

Sem comentários