JESC2018: Polina Bogusevich atua no 'interval act' do Festival Eurovisão Júnior 2018


Polina Bogusevich, vencedora do Festival Eurovisão Júnior 2017, atuará no intervalo da transmissão televisiva do próximo domingo em Minsk.


A cantora russa Polina Bogusevich, vencedora do Festival Eurovisão Júnior de 2017, será uma das cantoras participantes no interval act da edição deste ano do certame, que terá lugar em Minsk, avançou uma publicação acreditada no evento.

Polina, que integrou a comitiva da Rússia na Cerimónia de Abertura de ontem, afirmou, em entrevista, que "o concurso não é apenas sobre música, mas também sobre a forma em que se transmite a mensagem (...) Ao representar o nosso país, a nossa terra natal, num evento desta magnitude, deve ser com uma canção com grande significado. Mesmo que não se cante em inglês, a mensagem deve ser transmitida para todos através da nossa energia e empenho".

Em defesa de "Wings", a cantora Polina Bogusevich conquistou, em 2017, a segunda vitória da Rússia no Festival Eurovisão 2017 com 188 pontos, fruto do segundo lugar na votação do júri (122) e do sexto na votação online (66), tendo sido a favorita do júri português. Em maio passado, a cantora marcou presença na Final do Festival Eurovisão 2018, em Lisboa, onde interpretou um excerto de "Amar Pelos Dois".



Este e outros artigos também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte:Eurovoix / Imagem/Vídeo: JESC

2 comentários:

  1. A Polina vai cantar no intervalo do show e novamente vamos ouvir o mesmo hino ao bulling, à violência doméstica, tudo motivos para vermos sorrisos de felicidade nas faces das criancinhas e adolescentes na fase da puberdade.É o que faz a política de hoje, proporciona saúde e bem-estar a todas faixas etárias das populações. Mas não sei porquê, deve ser da minha ingenuidade, continuo sem perceber porque é que quando vejo os telejornais, passam e repassam todos os dias e durante várias horas ao dia, notícias de grandes calamidades que não são provocadas só pela própria natureza. Mas políticas à parte, que para aqui pouco interessam, a cantiga dela é, como se costuma dizer, uma chacha.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo16:24

      Não gosto da canção da moça mas porque é que se há-de fingir que o bullying e a violência doméstica não existem? As crianças são das mais afetadas por isto e saberem que não é normal é o primeiro passo para se libertarem.

      Eliminar