[ESPECIAL] O percurso dos países do Big4/Big5 no Festival Eurovisão


A criação dos Big4/Big5 remonta ao Festival Eurovisão de 2000, mas a polémica em torno dos privilégios desses países tem aumentado com a criação das semifinais. Recorde connosco um pouco da história de Alemanha, Espanha, França Itália e Reino Unido na Eurovisão.


Com a desfragmentação da Jugoslávia e da União Soviética no início da década de 90 do século passado, a União Europeia de Radiodifusão (EBU/UER) foi obrigada a reformular as regras do Festival Eurovisão devido ao excesso de países interessados em participar. Depois de apostar a semifinais regionais, em 1996, a entidade máxima do certame criou uma semifinal interna com todas os países interessados em participar na edição, culminando com a eliminação de sete países... um deles a Alemanha.

Sendo a Alemanha um dos maiores contribuidores financeiros da EBU/UER, a sua ausência provocou uma série de problemas financeiros para a entidade que teve de considerar uma solução. Com o apuramento dos países a depender dos resultados dos anos anteriores, em 2000 a EBU/UER apresentou uma nova regra para o evento: Alemanha, Espanha, França e Reino Unido, os maiores contribuidores financeiros do evento, teriam apuramento direto para o evento, independentemente dos resultados anteriores. Em 2004, com a criação das semifinais, os países passaram a ter apuramento direto para a Grande Final, até que, em 2010, a EBU/UER anunciou que a Itália juntar-se-ia ao grupo, passando este a ser conhecido por Big5.

Contudo, será que as regalias dos Big5 têm tido influência direta nos seus resultados no Festival Eurovisão? O ESCPORTUGAL recolheu uma série de curiosidades sobre o percurso desses países antes e depois da introdução das semifinais no Festival Eurovisão.

Apenas 3 dos Big5 participaram na edição inaugural do Festival Eurovisão
Vulgarmente, a existência dos Big5 é associada ao histórico dos países no Festival Eurovisão... o que não corresponde à verdade. Em 1956, ano da primeira edição do certame, apenas França, Alemanha e Itália participaram, sendo que o Reino Unido entrou em 1957 e Espanha fez a sua estreia em 1961. Por sua vez, a Alemanha com 62 participações (em 63 edições) é o país com mais presenças no evento, seguido de França (61) e Reino Unido (60). Espanha, com 57 participações, é o sétimo país com mais presenças, enquanto que Itália segue na 15.ª posição com 44 presenças.


O Reino Unido é o país com maior número de presença no pódio...
Com 23 presenças no pódio eurovisivo, onde se destacam as 5 vitórias no concurso (67/69/76/81/97), o Reino Unido é o país dos Big5 com maior sucesso no concurso, sendo seguido por França, país vencedor de 5 edições (58/60/62/69/77), sendo que três dessas vitórias aconteceram nas dez primeiras edições do concurso. Espanha, com duas vitórias (bem como a Alemanha e Itália), é o único dos países dos Big5 a vencer em duas edições consecutivas (1968-1969). No total, os cinco países conta com 16 vitórias e um total de 66 presenças no pódio do Festival Eurovisão (contudo, apenas 3 aconteceram depois de 2004). 


... mas Itália detém as duas maiores votações dos Big5
Com apenas 2 vitórias (1964 e 1990), Itália, o país dos Big5 com o menor número de participações, detém o maior número de pontos dos cinco países nos dois sistemas de votação: a marca de 292 pontos alcançada pelos Il Volo em 2015 destronou o recorde de Katrina and the Waves em 1997 (227 pontos), enquanto que a pontuação de Francesco Gabbani em Kiev (334 pontos) é a maior pontuação dos Big5 com o novo sistema de votação.


França é o único Big5 que nunca ficou a zeros no Festival Eurovisão
Sendo o país mais bem sucedido dos Big5 nos primeiros dez anos da competição (3 vitórias, 1 segundo, 2 terceiros, 2 quartos, 1 quinto e um nono lugares), França é o único país que nunca ficou a zeros no Festival Eurovisão. O pior resultado do país aconteceu em 2014 com os Twin Twin a terminar em 26.ºlugar (último) com 2 pontos. Por outro lado, Espanha e Alemanha lideram os null points, com 3 edições a zero, (62/65/83 e 64/65/15, respetivamente), seguidos de Itália e Reino Unidos, que ficaram com null points em 1966 e 2003, respetivamente.


Espanha nunca abandonou a competição depois da estreia
Estreante em 1961, Espanha é o único país dos Big5 que nunca saiu do Festival Eurovisão, tendo um total de 58 participações. Por outro lado, a Alemanha falhou a edição de 1996, por ter sido eliminada pela EBU/UER numa semifinal interna criada devido ao excesso de países interessados em participar, enquanto que o Reino Unido ficou de fora em 1958, ano seguinte à estreia, depois de falta de acordo entre vários sindicatos artísticos. França ficou de fora em duas ocasiões, por razões bastante distintas: em 1974, o país retirou a sua inscrição dias antes do evento devido à morte do Presidente Georges Pompidou, enquanto que, em 1983, a emissora francesa acusou o evento de ser "medíocre".


Por sua vez, Itália retirou-se do Festival Eurovisão em várias ocasiões. A primeira aconteceu em 1981, quando a RAI alegou baixo interesse do público, ficando de fora até 1983. Em 1986, o país voltou a ficar de fora, bem como entre 1994 e 1996, devido ao baixo interesse. O regresso aconteceu em 1997, tendo o país saído do concurso no ano seguinte... voltando apenas em 2011.


O Reino Unido sediou 8 edições do Festival Eurovisão
O Reino Unido sediou o Festival Eurovisão em oito ocasiões, sendo o maior número de organizações por um país. Além de conseguir o direito devido às vitórias em 4 edições (68, 77, 82 e 98), o Reino Unido foi o país anfitrião depois das desistências da Holanda em 1960, França em 1963, Mónaco em 1972 e Luxemburgo em 1974 devido a questões financeiras e logísticas. Além disso, em 1996, a BBC ofereceu-se para sediar o evento em conjunto com a RTÉ em Belfast, na Irlanda do Norte. Londres recebeu quatro das edições (60/63/68/77), tendo as cidades de Edimburgo (1972), Brighton (1974), Harrogate (1982) e Birmingham (1998) sido também escolhidas.


Por outro lado, França organizou o certame em 3 ocasiões (1959 e 1961, em Cannes, e 1978, em Paris), as mesmas que a Alemanha (Frankfurt am Main recebeu o certame de 1957, Munique em 1982 e Dusseldörf em 2011). Seguidamente, Itália organizou o concurso em 1965 em Nápoles e em 1991 em Roma, enquanto Espanha sediou a edição de 1969 em Madrid.


E como tem sido o sucesso dos Big5 depois da introdução das semifinais?

1 vitória, três pódios e seis presenças no top5... em 15 anos
Desde 2004, apenas a Alemanha, em 2010, conseguiu triunfar no Festival Eurovisão depois de introduzidas as semifinais, sendo que Itália, segunda em 2011 e terceira em 2015, é a responsável pelas restantes presenças dos Big5 no pódio eurovisivo. Além disso, o Festival Eurovisão 2018, em Lisbo, foi o único que contou com dois países dos Big5 no top5 (Alemanha em 4.º e Itália em 5.º). Sendo assim, em 15 anos de semifinais, apenas 6 (!) candidaturas dos Big5 conseguiram entrar no top5 do Festival Eurovisão.


Espanha tem o 10.º lugar como melhor resultado desde 2004
De entre os países dos Big5, Espanha é o país que tem o pior resultado desde as introduções das semifinais: nuestros hermanos ficaram em 10.º lugar em 2004, 2012 e 2014, enquanto França foi 6.ª em 2016, o Reino Unido em 5.º em 2009, Itália ficou em 2.º em 2011 e Alemanha triunfou em 2010.


Em 2005, os países dos Big4 ocuparam os últimos quatro lugares
Com quinze anos de semifinais, os países dos Big5 conseguiram ocupar pelo menos uma posição no top10 em 11 edições, ficando de fora dos dez mais votados entre 2005 e 2008. Contudo, em 2005, os quatro países dos Big4 ocuparam... os últimos quatro lugares da Grande Final do Festival Eurovisão: Espanha foi a "melhor" classificada ao ocupar o 21.º posto, seguida do Reino Unido, França e Alemanha. Nos dois anos seguintes, a Alemanha foi a melhor classificada (14.º em 2006 e 19.º em 2007), sendo que Espanha liderou os Big4 em 2008, terminando em 16.º em Belgrado.


Os Big5 foram últimos classificados em 7 ocasiões
Contudo, o desaire desses países não aconteceu apenas em 2005: a única edição em que nenhum dos países ficou nos últimos lugares foi em 2004, sendo o Reino Unido (16.º) o pior classificado. Desde então, nenhuma edição do Festival Eurovisão teve todos os Big4/Big5 fora dos últimos cinco classificados. Além dos últimos lugares da Alemanha (2005, 2015 e 2016), do Reino Unido (2008 e 2010), de França (2014) e de Espanha (2017), os Big5 contam com 29 das 75 classificações nas últimas cinco posições do Festival Eurovisão... cerca de 39%.


Recorde, de seguida, as classificações dos Big4/Big5 desde a introdução das semifinais:


Esta e outras notícias também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: ESCPORTUGAL / Imagem e Vídeo: Eurovision.tv

1 comentário:

  1. Anónimo17:38

    Mais uma vez digo que a existência dos Big4/Big5 não faz sentido nenhum, apesar de estes países terem uma situação financeira melhor, não é motivo para estes países escaparem ás semis-finais.
    A EBU/UER é a verdadeira culpada disto.

    ResponderEliminar