Suécia: 'Melodifestivalen 2019' com o menor número de inscrições desde 2015


A emissora sueca SVT revelou que recebeu um total de 2295 candidaturas para o Melodifestivalen 2019, o menor número desde 2015. Os apurados deverão ser revelados nos próximos meses.


Dias depois de encerrar as inscrições para a competição, a emissora estatal sueca SVT revelou, esta tarde, que recebeu um total de 2295 candidaturas para o Melodifestivalen 2019, certame que selecionará o próximo representante da Suécia no Festival Eurovisão. Apesar do elevado número de inscrições, este é o mais baixo valor desde 2015, ano em que foram recebidas 2177 canções, tendo ficado longe do recorde alcançado em 2011: 3832 temas. No ano passado, a SVT havia registado 2711 propostas para o certame.

Ainda sem data de revelação dos apurados, sendo que a mesma deverá acontecer entre outubro e novembro, a SVT terá agora a missão de eleger os 28 temas que disputarão o concurso, de entre as propostas públicas e os convites diretos a compositores. Por sua vez, a banda The Lovers of Valdaro, apurados através do P4 Nästa, são os únicos concorrentes confirmados na edição do próximo ano.

Estreante em 1958, a Suécia conta com 58 participações no Festival Eurovisão, sendo um dos países com melhores resultados da história com 6 vitórias no curriculum. Em Lisboa, o país foi representado por Benjamin Ingrosso e "Dance You Off", terminando em 7.º lugar com 274 pontos, resultante do 2.º lugar no júri e do 23.º lugar no televoto. 


 Este e outros artigos também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: SVT / Imagem: Google / Vídeo: Youtube

2 comentários:

  1. Anónimo21:19

    Mais vale poucas mas boas, do que muitas e más

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo19:55

      Ou ... compositores e cantores suecos com uma abordagem verdadeiramente musical que não passa pela ideia de uma competição/festa, da qual a valorização recai sempre no pop de radio/streaming-formula-recycle-format ... eles preferem concentrar-se em fazer o que fazem melhor do que se submeter a uma festa que só se centra na obsessão de um certo Christer Bjorkmann e no desejo de ter sucesso internacional (por ser esse o legado atual do pop sueco no mundo). Mas entre vendas e desespero por sucesso "a la ABBA", o televoto europeu deixou uma mensagem bem clara este ano ... e cabe a SVT decidir se quer repetir o que ja foi feito com a convicção de que ainda resulte, ou se arrisca e surpreende e, assim, reconquista alguma credibilidade, que não se feche apenas pela "compra de pontos de juris" mas que chegue ao gosto do televotante europeu. Só pode haver um Euphoria, por isso a Suécia precisa de aprender a sair da sua zona de comforto, senão eles arriscam-se a fica de fora da final um dia, porque o televoto os arrasta para o fundo mesmo com muita boa pontuação de um juri. É uma questão de fazerem aquilo que os ABBA sempre fizeram a carreira toda - pensar em musica - não em competições ... quiça assim vencem a competição porque não pensam nela. Recordo que a canção "Kuula" do Ott Lepland e o "J'ai cherché" do Amir tiveram o reconhecimento e o sucesso que mereciam por serem composições que gritavam mais "musica" do que "Eurovisão" e porque ambas já existiam per se antes de serem propostas para efeitos competitivos.

      Eliminar