ESC2019: Primeiro-Ministro garante "cumprir todas as regras" para Israel receber o evento


Depois das notícias sobre a possibilidade da EBU/UER retirar o direito de organização a Israel, o primeiro ministro garantiu que "o Governo vai cumprir todas as regras para assegurar o evento".

A polémica em torno da organização do Festival Eurovisão 2019 está longe de terminar. Depois de ter sido avançada a possibilidade da EBU/UER estar a ponderar a transferência do evento para a Áustria, como pode recordar AQUI, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu revelou que o governo está empenhado em garantir a organização do evento no país: "O governo vai cumprir e agir de acordo com todas as regras da EBU/UER para assegurar o evento" afirmou o político, através de um comunicado.

Contudo, a polémica em torno da possível realização do evento em Jerusalém poderá não ser a causa da ação da EBU/UER junto da emissora israelita. Um editor do site The Marker partilhou, nas redes sociais, uma carta da EBU/UER para a emissora de Israel, manifestando as suas preocupações sobre a eventual divisão da emissora em dois canais distintos: um de entretenimento e outro exclusivamente de notícias.

Este e outros artigos também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: Escxtra /Imagem: Google

5 comentários:

  1. Anónimo21:04

    Talvez um dos problemas seja o governo Israelita querer fazer parte da organização do festival e obsessão de Netanyahu em que seja em Jerusalém

    ResponderEliminar
  2. Anónimo21:25

    Uma coisa não percebo, se a emissora atual de Israel não é membro da EBU, como é que deixaram Israel participar este ano?
    Foram convidados como a Austrália?
    Se foram, as restrições que a Austrália têm deviam-se aplicar também a Israel e Israel não devia ser o país anfitrião de 2019

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo17:20

      A australia nao pode organizar porque nao fica na Europa

      Eliminar
  3. Anónimo12:10

    O que eu acho é que há muita política à mistura onde devia haver canções.
    Por um lado do governo israelita, que ao que parece aceita todas as condições da EBU e assim elimina qualquer problema, e dos opositores de Israel que por motivações exclusivamente políticas não têm parado de fazer campanha contra a realização do ESC naquele país. São notícias e factos, uns atrás dos outros e que começaram ainda em Lisboa com o ridículo apelo para que não votassem na canção israelita
    Acredito que o ESC vai ser em Israel, gostava é que a qualidade das canções e a espectáculo fosse melhor que em 199, que foi dos mais fracos que tenho memória

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo22:20

      Depois da vitória da Netta estou à espera que a qualidade musical volte a descer, a parte boa é que pode ser que algum país envie um daqueles artistas trolls como foram Dustin the Turkey, Silvia Night ou o Rodolfo Chikilicuatre. Há já alguns anos que não aparece um troll para animar a eurovisão

      Eliminar