ESC2018: Ivan Svataylo revela proposta recusada da atuação de Yianna Terzi


O bailarino grego Ivan Svataylo revelou que foi abordado pela emissora ERT para participar na atuação de Yianna Terzi, mas "a ideia nunca avançou oficialmente, pois eles optaram por uma encenação bastante mais simples".


A eliminação de Yianna Terzi com "Oniro mou" na semifinal do Festival Eurovisão 2018 continua a dar que falar na Grécia. Depois da cantora ter criticado a produção do evento, tal como pode recordar AQUI, desta vez foi o bailarino Ivan Svataylo que revelou alguns pormenores das propostas recusadas pela ERT para o evento.

Convidado especial de um programa de televisão, o bailarino revelou que foi abordado pela equipa responsável pela participação de Yianna em Lisboa para participar no projeto: "Eu aceitei a proposta para participar na atuação. Não é algo de que goste muito de fazer, mas o facto de ter uma grande produção e poder dar as minhas ideias fez-me aceitar" afirmou, revelando que a sua proposta foi recusada, "Eu sugeri acompanhar a Yianna em palco, enquanto bailarino, representando um grego no fim de uma batalha... Mas eles preferiram uma atuação mais despida. A ideia nunca avançou. Eles apenas me disseram que a canção tinha uma mensagem por si própria e queriam atuar sem bailarinos. Não sei quem tomou a decisão final".

Yianna Terzi e "Oniro mou" representaram o país em Lisboa, terminando em 14.º lugar com 56 pontos, falhando o apuramento para a Grande Final pela segunda vez na história. A candidatura grega não recebeu qualquer ponto de Portugal, tendo ficado em 11.º lugar na votação do júri nacional e do televoto português.



Esta e outras notícias também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: INFEGreece/Zapit / Imagem: Google /Vídeo: Eurovisiontv

4 comentários:

  1. Anónimo09:44

    A proposta desta bailaino poderia ter dado um excelente staging, a letra da música fez-me lembrar a história de Penélope na Odisseia e um bailarino trajado de guerreiro, poderia ter transmitido melhor a mensagem universal de amor e devoção que a letra tinha.
    Foi uma falha querer ilustrar esse amor como a sendo relação entre nação e os seus cidadãos

    ResponderEliminar
  2. Anónimo10:36

    Afinal nao foi so a organizacao do ESC, pelos vistos tudo começou na emissora grega mas e mais facil culpar os outros..

    ResponderEliminar
  3. Afinal eles (gregos) e não a produção do ESC, é que recusaram tudo. Chegaram aos ensaios sem ideia alguma, ensaiaram mais vezes que os outros e mesmo q assim não se sentaram à mesa com a produção no sentido de obter dicas, preferindo experimentar coisas sem sentido, e ainda se queixam

    ResponderEliminar
  4. Em momento algum, nestas declarações escritas, o bailarino acusa a equipa da Grécia. Não se percebe quem são os "eles" a que se refere, mas deixou claro que não sabe quem tomou a decisão final. Porque têm de continuar a acusar a equipa?!

    ResponderEliminar