Portugal: Vitória de Cláudia Pascoal em destaque na imprensa nacional


A vitória de Cláudia Pascoal com "O Jardim" no Festival da Canção 2018 esteve em destaque nos principais órgãos de comunicação social portugueses. 


Com o voto máximo do televoto e o segundo lugar no júri regional, Cláudia Pascoal e "O Jardim", de Isaura, venceram o Festival da Canção 2018, tornando-se os representantes de Portugal no Festival Eurovisão de 2018, que decorrerá em Lisboa. A vitória esteve em destaque nos diversos meios de comunicação social portugueses, tendo sido, inclusive, o principal destaque da capa do Jornal de Notícias.

Diário de Notícias

Jornal de Notícias

LUX

Público

Sábado

SIC Notícias


Esta e outras notícias também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: Sapo /Imagem/Vídeo: RTP

6 comentários:

  1. Anónimo19:49

    Sera que vamos ganhar de novo??

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo20:41

      Este ano acho que vai ser renhido, há já muitas músicas muito boas e de diferentes estilos a concurso que poderão ganhar, vamos ver

      Eliminar
    2. Anónimo00:19

      Eu acredito que é possível. Mas tambem sei que a probabilidade de dobradinha é muito mais reduzida, as pessoas têm isso em linha de conta na hora de votar. Se puderem escolher outra igualmente boa vão fazê-lo.

      Eliminar
  2. Anónimo20:22

    Não. Nem vamos ficar nas 15 primeiras posições (espero que esteja muito enganado!). Esta canção não estava no meu TOP 3 do festival, no entanto, agora que é a nossa representante terá todo o meu apoio.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo21:40

      Não leve a mal, mas pode dizer qual era o seu prognóstico o ano passado em relação ao Salvador, antes de tomar conhecimento do alvoroço internacional com a nossa música? Não faria parte daquelas pessoas que diziam "Nem vamos ficar nas 15 primeiras posições..." ;).

      Vamos ficar nos seis primeiros lugares, vai uma aposta?

      Eliminar
    2. Anónimo17:00

      É uma coisa que depende dos estrangeiros, como é obvio. Não adianta a nossa apreciação interna como barómetro das possibilidades. Uns gostam outros não, parece-me que lá fora também.

      Eliminar