FC2018: Como votou o júri das semifinais do Festival da Canção 2018?


Júlio Isidro, Tozé Brito, Ana Bacalhau e Ana Markl, jurados do Festival da Canção 2018, falaram sobre o processo e os critérios de avaliação utilizados nas duas semifinais do concurso.


Alguns dos jurados das semifinais do Festival da Canção 2018 revelaram, recentemente, alguns dos seus critérios de votação para as duas galas. Júlio Isidro, presidente do júri, garantiu que "sei que os meus critérios coincidem com os de uma ou outra pessoa, mas não falo sobre o assunto" e que "não dialogo com os meus parceiros sobre critérios". "Há quem escolha a canção de que gosta mais, eu voto na canção que mais gosto e a que penso que os outros vão gostar mais" afirmou, defendendo que, na sala de júri, fala-se das canções, mas não há qualquer tentativa de convencer os colegas do júri. Por fim resume: "Cada um tem o seu critério e assim há mais liberdade. A votação resulta das nossas divergências, ou melhor, das nossas diversidades... De como encaramos a vida, a nossa cultura musical... por isso é que somos nove".


O produtor e músico Tozé Brito equilibra: "50% a canção, 50% a interpretação" defendendo que "a melhor canção do mundo não resiste a uma má interpretação". Também Ana Markl, apresentadora e animadora de rádio, explica: "Não tenho propriamente uma tabela de Excel com critérios, mas valorizo uma mistura de bom gosto da composição, star quality do intérprete e qualidade no contexto do que a Eurovisão é hoje" revelando que "este último parâmetro é mais complexo: Pode ir dos Lordi a Salvador Sobral".


Também Ana Bacalhau, outra das juradas do concurso, revelou no Instagram os seus critérios de votação no Festival da Canção 2018: "construção harmónica, construção melódica, tema, expressão, arranjos, perfomance, dicção, interpretação da letra, interpretação da melodia e carisma" pode ler-se na fotografia da cantora.


Este ano, o júri só teve acesso aos 45 segundos de cada canção que a RTP disponibilizou. "É impossível formar uma opinião com base nisso. Quando muito, permite-nos especular na nossa intimidade" afirmou Ana Markl, "Além disso, a interpretação em palco conta muito para um evento deste tipo, que é sobretudo um grande espetáculo de entretenimento".

Conforme aconteceu no ano passado, os jurados votaram consoante as atuações do ensaio geral da tarde: depois do ensaio, os jurados reuniram-se na sala que lhes foi destinada, debateram e preencheram o boletim de voto. Contudo, no direto, os boletins de voto regressam às mãos dos jurados que "ratificam ou retificam o voto", explicou o presidente do júri, Júlio Isidro. "Eu enquanto jurado posso dar mais votos a uma canção para depois equilibrar o que é o voto popular. Conseguimos perceber o que vai acontecer. Não é a pessoa que está a ver o festival que vota, são as pessoas que, através das redes sociais, se mobilizam" afirmou Tozé Brito, referindo que já aconteceu terem sido mudado votos nesta fase, "Imaginemos chegar à Eurovisão e não conseguir cantar, isso é dramático. E o que estamos a escolher é a canção que vai representar a RTP na Eurovisão

Este e outros artigos também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: DN / Imagem: RTP

10 comentários:

  1. Anónimo19:58

    Esses critérios todos e deram apenas 1 ponto ao Peter ?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo20:11

      Realmente e 3 a lili

      Eliminar
    2. Anónimo20:31

      muito bem , uma bela canção

      Eliminar
    3. Anónimo21:32

      E 12 ao Piçarra...

      Eliminar
    4. Anónimo10:13

      21:32 o Piçarra teve uma belissima interpretaçao. Nao deixe que esta polemica o cegue.

      Eliminar
  2. Rui Ramos20:33

    Bom artigo

    ResponderEliminar
  3. Donde se conclui que Tozé Brito (e outros?) não vota propriamente segundo as suas preferências, mas para "equilibrar o que é o voto popular". Não se está, como em Sanremo, perante um júri de qualidade, mas perante jurados (só um?) que desejam "equilibrar" (por que não usar o termo "contradizer"?) o televoto. Por que não eliminar o televoto, já que, segundo diz, "as pessoas se mobilizam"? Ah, o 760... dá jeito às finanças da RTP, que depois contrata as mesmas pessoas para, ano após ano, serem jurados de seleção ou das eliminatórias ou da final ou do júri português no ESC. Que novelo, para não dizer "novela"!...

    ResponderEliminar
  4. Anónimo20:51

    Se não há critérios objectivos então para quê um júri profissional? Se o Júlio Isidro vai votar consoante o seu gosto pessoal então que faça parte do voto do público lol

    ResponderEliminar
  5. Depois do comentario do ToZe Brito acho que a RTP deveria eleminar o voto do juri como criterio de selecao e apenas passar as 7 cancoes de cada semi final com maior voto popular.

    ResponderEliminar
  6. Anónimo10:14

    Porque é que convidam a Ana markl? enfim...

    ResponderEliminar