[ESPECIAL] ESC2018: Rescaldo do sorteio das semifinais do Festival Eurovisão 2018


Os 37 países semifinalistas do Festival Eurovisão 2018 conheceram, esta manhã, a semifinal em que irão competir em Lisboa. Qual será a semifinal mais forte tendo em conta os resultados dos últimos anos?
Os 37 países semifinalistas do certame deste ano conheceram, esta manhã, a semifinal em que irão disputar o acesso à Grande Final do Festival Eurovisão 2018, conforme pode recordar AQUI. Antes do sorteio, os países foram distribuídos por seis potes distintos, sendo a distribuição baseada nas votações dos últimos anos. O ESCPORTUGAL pôs mãos à obra e analisou os resultados do sorteio, tendo em conta o sucesso (ou não) destes países nas semifinais dos últimos anos. 

1.ª Semifinal
Com dezanove países a concurso, a semifinal de 8 de maio de 2018, que contará com a votação de Portugal, Espanha e Reino Unido, conta com dez países finalistas do Festival Eurovisão 2017: Arménia, Áustria, Azerbaijão, Bélgica, Bielorrússia, Bulgária, Chipre, Croácia, Grécia e Israel. Contudo, de entre os 19 países na corrida pelos 10 lugares de apuramento, apenas um país nunca falhou a presença na Grande Final, o Azerbaijão.


Tendo em conta as semifinais entre 2004 e 2017, o Azerbaijão lidera o histórico dos apuramentos (100%), sendo seguido pela Arménia e Grécia, ambas com 90,91%. Segue-se a Croácia (58,33%) e a Islândia, Israel e Lituânia (com 53,85%), enquanto que a Albânia, Áustria e Chipre encerram o top10 dos apuramentos com 50%. 

Contudo, se tivermos em conta o regime das duas semifinais, entre 2008 e 2017, reparamos nalgumas mudanças significativas. A Croácia desce da 4.ª posição para o 11.º lugar, enquanto a ARJ Macedónia desce da 14.ª posição com 35,71% para o último lugar (19º) com 10%, referente ao apuramento na edição de 2012. 


2.ª Semifinal
Com dezanove países a concurso, a semifinal de 10 de maio de 2018, que contará com a votação de Itália, França e Alemanha, conta também com dez países finalistas do Festival Eurovisão 2017: Austrália, Dinamarca, Holanda, Hungria, Moldávia, Noruega, Polónia, Roménia, Suécia e Ucrânia. Contudo, ao contrário da primeira semifinal, a segunda eliminatória conta com quatro países que nunca falharam a presença na Grande Final: Austrália, Roménia, Rússia e Ucrânia.


Tendo em conta as semifinais entre 2004 e 2017, a liderança é repartida entre o grupo de países invencíveis (Austrália, Roménia, Rússia e Ucrânia), sendo seguidos, de muito perto, pela Suécia (88,89%) e da Hungria (81,82%). A Dinamarca e a Noruega seguem-se, com 72,72% , enquanto que a Geórgia (70%), a Moldávia e a Sérvia (66,67%) e Malta (50%), apresentam percentagem de apuramento positiva. 

Contudo, se tivermos em conta o regime das duas semifinais, entre 2008 e 2017, reparamos que 13 dos 18 participantes na semifinal apresenta uma percentagem de apuramento acima de 50%. A grande mudança é a subida da Polónia do 13.º lugar, com 45,45%, para o 10.º lugar com 62,50% de apuramentos no regime das duas semifinais.

Esta e outras notícias também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: ESCPortugal / Imagem: RTP

2 comentários:

  1. Anónimo17:16

    Resumindo, os países que tem conflitos entre eles próprios, exemplo (Azerbaijão com a Arménia; Rússia com Ucrânia) tem um resultado de 100% de apuramento para a final, isso significa, que a maioria dos Europeus, sobretudo dos países de leste gostam de votar em países conflituosos, o que não é nada bom para a Eurovisão. Se fosse por mim, o Esc voltava ao antigo, só com países ocidentais e mediterrâneos, e só com final, nada de semis-finais, em que uns passam outros não, o que origina muita discussão entre fãs do Esc e provoca sentimentos de revolta e ódio, pois para uns fãs uns países deviam ter passado á final outros não, e para outros fãs, o contrário. Até ao Esc 2003, nunca existia estes cenários e mais uma agravante que é os Big5, para aumentar mais a revolta entre países e fãs do Esc. A Turquia já se retirou, apesar de se ter retirado tarde demais, esteve presente no Esc no período das semis entre 2004 e 2012, 9 anos, se achava que os Big5 não deviam ter privilégios, o que eu sou da mesma opinião, então devia ter-se retirado do Esc mais cedo, talvez 2006, ou 2007, ou 2008? Para mim o Esc vai de mal a pior, e com mais uma agravante de a Austrália ter presença garantida na final do Esc 2015, pelo que eu saiba, este país não é Europeu, por isso, em condições normais não devia participar e muito menos ter entrada direta na final do concurso no ano da sua estreia. Cada vez gosto menos da EBU.

    ResponderEliminar
  2. Realmente resta pouco de eurovisão!
    Australia convidada,previlégio dos Big 5,semifinais e semifinais,língua oficial quase obrigatória,formatação do espetáculo inevitável..........Eurovisão?
    O mote da eurovisão é a ser inclusivo,diversidade e respeito por todos.......
    Espetáculo de música eurovisiva em língua materna? Parece ser este o significado de eurovisão,mas,tem se desviado ano após ano.Então neste momento é um espetáculo de quem brilha mais e se mexe melhor, de quem tem mais luzes a piscar e mais efeitos especiais.Concordam? Segundo a minha lucidez é ao que tenho assistido. Sim é preciso algum espetáculo visual mas nem tanto, distrai nos da noção do verdadeiro sentido musical.Conseguem comprender o sentimento de muitos como eu? Não é sentimento de revolta mas também não de grande satisfação. Mas foi a formatação deste espectáculo................Sugerem se novos temas para Eurovisão! De eurovisão resta muito pouco!

    Quanto á RTP dado o caderno de encargos a que estava obrigado esteve muito bem.Arrisco me a dizer que superou as espectativas e representou bem Portugal! O sentido de Portucalidade e de eurovisão esteve presente!
    Demonstrou sentido de organização com responsabilidade.Escolhas acertadas em todas as frentes.Parabens RTP! Próximo encontro Israel.Europa? Eurovisão?..............Mudamos o tema? É que de eurovisão resta pouco......

    ResponderEliminar