A RTP anunciou, através do site oficial, que o sorteio das semifinais do Festival da Canção 2018 decorre hoje, na sede da emissora em Lisboa. Gonçalo Madaíl e Júlio Isidro, presidente do júri, serão os responsáveis pelo sorteio.

Tal como aconteceu na última edição do Festival da Canção, a RTP dividirá os compositores a concurso pelas duas semifinais do certame através de um sorteio. A notícia foi avançada pelo site oficial da RTP, revelando que o sorteio decorrerá durante o dia de hoje, 25 de Outubro, na sede da emissora em Lisboa.

Gonçalo Madaíl, da direção da RTP, e Júlio Isidro, que repetirá o cargo de presidente do Júri do Festival da Canção, serão os responsáveis pelo sorteio dos nomes dos compositores cujas canções alinharão nos programas de dia 18 e 25 de fevereiro de 2018. Cada semifinal contará com 13 participantes, sendo que apenas as 7 mais pontuadas seguirão para a Grande Final, agendada para 4 de março em Guimarães e que contará com 14 canções.

O vídeo do sorteio será disponibilizado no site oficial do Festival da Canção durante o dia de hoje.


Este e outros artigos também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: RTP / Imagem: RTP

18 comentário(s):

  1. Anónimo11:57

    Júlio Isidro novamente ??? Bem compositores não façam musicas em inglês ..

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo12:21

      Pois é, tanta coisa com eles deixarem as canções serem em qualquer língua para depois o júri cheio de velhos chechés po-las todas em ultimo.

      Eliminar
    2. Que eu saiba o Júlio Isidro fala e entende inglês! Terá as suas preferências como todos temos as nossas. Afinal se contas vivemos num país livre, certo!?

      Eliminar
    3. Anónimo16:36

      Ruy, não é isso. Não pode ser sempre ele a representar os gostos para musicas de vai representar Portugal. Ele é uma pessoa fantástica, mas não representa a maioria bem o estilo que se ouve hoje em dia neste tipo de concursos. Volto a dizer, o Salavador foi uma questão de sorte, (em ele ter vindo e ter sido bem aceite lá fora)

      Eliminar
    4. Anónimo16:38

      A liberdade não tem nada a ver com parcialidade. Um membro do júri - aliás, o presidente do júri - que diz em público que toda as canções que não sejam em inglês dão apuramento direto para os últimos lugares do seu ranking põe em causa esta abertura para outras línguas do FC. Se é para ser assim, mais valia não terem feito nada.

      Eliminar
  2. Anónimo12:10

    Sobretudo este ano em que o ESC se celebra em Lisboa. Nenhum outro país entenderia, logo agora em que vai haver um incremento de países a apostar no seu próprio idioma.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo01:58

      12:10 ai vao? que países são esses? é que nao li isso em sitio nenhum.

      Eliminar
    2. Eslovénia e Grécia por exemplo...

      Eliminar
  3. Anónimo12:12

    Uma canção do Festival da Canção em inglês apenas ganharia se fosse algo absolutamente soberbo.

    ResponderEliminar
  4. Anónimo12:38

    Esperava que a Luisa serial a Presidente do Juri este ano. Não quero que isto indique que repitam muitos do juri do ano passado.

    ResponderEliminar
  5. Anónimo15:09

    Se aceitam músicas em inglês não deveriam descriminá-las logo à partida

    ResponderEliminar
  6. Anónimo15:31

    Gosto que enham criado um sistema coeso e que o mantenham.. Por exemplo o Logotipo antes mudava todos os anos.. Acho que nao ajudava nada...

    ResponderEliminar
  7. Caros amigos... O júri do ano passado ajudou a que o Salvador ganhasse o FC e o ESC.
    Se o júri as acerta todas? Não. Como qualquer um, tem o seu gosto pessoal.
    Mas vamos lá ver: muitos se insurgiram contra o juri, por ter pontuado mal a canção do Pedro e depois foi o que foi na OGAE second chance.

    Tudo é muito relativo...
    Sejamos felizes e aproveitemos o que a música (e o ESC) nos dá...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo18:09

      Concordo em pleno.

      Eliminar
    2. Anónimo02:04

      Exactamente por o juri nao acertar em todas é que a sua primeira frase nao faz sentido. Lá por o Pedro ter ficado mal na OGAE nao significa que isso acontecesse no ESC, sao coisas diferentes, e eu nem gostei da musica dele.

      Pôr o juri num patamar de deuses só porque ganhámos nao faz sentido, pois eles ja cometeram erros e levou anos até que ganhassemos. Vamos manter os pés assentes na terra, é melhor.

      As pessoas sao felizes, estão apenas a dar a sua opiniao. Ás vezes parece que ninguem pode 'tocar' no juri negativamente só porque ajudaram o Salvador a ganhar. Lembrando que o publico tambem votou no Salvador, assim como os emigrantes pela europa fora, nao foi só o vosso querido juri. Cumprimentos.

      Eliminar
    3. Anónimo02:11

      Tudo para dizer que discordo da sua opiniao. Lá porque ficámos com um bom lugar e ganhámos uma vez, nao significa que isso vá continuar a acontecer especialmente comparando todo o nosso percurso no ESC que é pessimo, o que devia ter um peso bem maior nas vossas opinioes. Por isso é que é muito perigoso ter essa idolatraçao pelo juri depois de termos ganho, preocupa-me que tantos portugueses pensem assim. Ha que ter humildade e mentalidade aberta com todos os estilos de musica e performances.

      Eliminar
    4. Os maus resultados de Portugal nas primeiras duas décadas foram mais resultado de opções políticas do que por falta de qualidade, e isso era notório, Portugal era uma ditadura na altura e se por um lado as democracias europeias tinham pruridos em relação a isso, por outro lado penso que ao próprio regime não interessava ter tantas delegações estrangeiras por cá... e o facto é, que a Espanha “comprou” a Vitória de 1968, como se veio a saber mais tarde...
      Nos anos 80 e 90 havia um certo preconceito em relação a determinados países, que só viriam a conquistar uma vitória após o ano 2000... Turquia; Grécia; Finlândia e Portugal... isto somente após a introdução do televoto...

      No caso de Portugal e Finlândia o caso penso que deriva um pouco de por um lado, apresentarem sempre propostas defasadas do mainstream e por outro lado um desinteresse crescente devido aos maus resultados e vitórias de países que participavam desde há menos tempo... o que levou a uma aposta em propostas menos cuidados e apelativas... o que se colou à imagem dos dois países, prejudicando-os mesmo quando as propostas eram excelentes...

      Mas por outro lado, Portugal beneficiou e muito com a generalização do estilo pop sueco, cantado em inglês... o que tornou a Eurovisão mais monótona... até países que geralmente cantavam nas suas línguas e com um cunho muito próprio, caso flagrante da Sérvia, se renderam ao pop generalista... ou mesmo a Grécia...!!!

      A única exceção tem sido Portugal e a Itália... a Itália sempre com excelentes resultados pela qualidade e peso da “marca” Itália e Portugal este ano pela ousadia e coragem de desafiar os cânones eurovisivos...

      E assim conseguimos acumular um capital positivo para as próximas edições, tal como o fizemos com a “Senhora do Mar” que beneficiou os resultados das propostas , de boa qualidade de 2009 e 2010... mas depois estragámos tudo em 2011... e em 2012 mesmo com uma excelente proposta o capital negativo do ano anterior anulou completamente as possibilidades de “Vida minha”...

      E caso dúvidas hajam... a Suécia terá sempre excelentes resultados porque construiu uma imagem... porque a marca Suécia na Eurovisão tem a cotação máxima...

      Eliminar
  8. Anónimo18:51

    Venha daí mas é uma boa canção e sim em português ❤

    ResponderEliminar

Temas em Destaque

 
Top