No dia do polémico referendo na região espanhola da Catalunha, recordamos 7 artistas que, sendo naturais da Catalunha, representaram Espanha no Festival Eurovisão da Canção e fizeram história no concurso... pelos melhores e pelos piores motivos!



Salomé em 1969 

Salomé nasceu em Barcelona em 1939. Representou Espanha na Eurovisão, numa edição sediada em Madrid depois da vitória de Espanha no ano anterior. Com o tema “Vivo cantando” ganhou o Festival empatada com a Holanda, França e Reino Unido. A canção foi um estrondoso êxito com versões em basco, catalão, francês, alemão, inglês, italiano e servo-croata. 



Peret em 1974 

Peret nasceu em Barcelona em 1935, cidade na qual viria a falecer em 2014. Tem origens na etnia cigana. Foi uma escolha interna da TVE, uma escolha polémica tratando-se de um artista da Catalunha. Uma afronta à ditadura de Franco. Alcançou o 9.º lugar entre 17 países. 



Nina em 1989 

Outra artista nascida em Barcelona, em 1966. Uma atuação memorável para nuestros hermanos, que conquistaram o 6.º lugar. Nem o duvidoso gosto do vestido põe em causa esta que é considerada por muitos uma das melhores participações espanholas de sempre. Durante os seus 30 anos de carreira e uma dúzia de álbuns editados, tiveram assinalável êxito os temas cantados em catalão: Espai del somni (2000), Quan somniis fes-ho en mi (2002), Bàsic (2007), A prop del mar (2011) ou Llegendes del cinema (2013).

   


Sergio Dalma em 1991 

Nascido em Sabadell em 1964, Sergio Dalma apresentou em 1991 a canção “Bailar pegados”, que Espanha a América Latina conhecem muito bem dado o estrondoso êxito que teve nessas paragens. O disco vendeu mais de 5.000.000 de cópias. Em Roma conquistou o 4.º lugar 



Beth em 2003 

O programa de caça talentos Operación Triunfo, que também teve uma versão em Portugal, selecionou o representante de Espanha na Eurovisão em 2002, 2003 e 2004. Beth (nome de batismo Elisabeth Rodergas Cols) nasceu em Suria em 1981. É fruto da OT 2003 e com apenas 23 anos de idade representou Espanha na Eurovisão. Apesar dos nervos à flor da pele, conquistou o 8.º lugar no palco de Riga.

   


Rodolfo Chikilicuatre em 2008 

Rodolfo Chikilicuatre é a personagem criada pelo comediante David Fernández Ortiz, nascido em 1970 em Igualada. Apresentou no palco de Belgrado uma paródia à política nacional com uma atuação excêntrica. Quem diria que este número, que tão ridicularizado foi, conquistasse a melhor classificação para Espanha desde 2004? O 16.º lugar entre 25 canções. 



Manel Navarro em 2017 

Manel Navarro nasceu em Sabadell em 1996 e foi o mais recente representante de Espanha na Eurovisão. Depois de uma polémica seleção nacional, cuja vitória foi considerada por muitos como resultado de uma grande “cunha” de um dos jurados, Manel conquistou a mais temida classificação de todas: o último lugar com apenas 5 pontos (todos do televoto de Portugal). Refira-se que, pela primeira vez em 57 participações, o cenário de fundo da apresentadora do voto de Espanha foi uma paisagem de Barcelona (no caso, a Basílica da Sagrada Família). 



Canção extra: “La La La” em 1968 

Espanha ganhou a Eurovisão 1968 com a canção “La La La” interpretada por Massiel. Esta intérprete foi, contudo, a segunda escolha: Originalmente Espanha seria representada pelo cantor Joan Manuel Serrat, mas o seu desejo em cantar em catalão foi uma afronta ao regime ditatorial franquista que não terá permitido este idioma no palco da Eurovisão. Serrat acabou por não aceitar cantar em castelhano. Assim, foi substituído por Massiel que cantou a mesma canção, mas em castelhano. Veja a atuação de Massiel na Eurovisão e a versão original de Serrat em Catalão: 



Este e outros artigos também no nosso FacebookTwitter e Instagram. Visite já!
Fonte: ESCPORTUGAL / Imagem: GOOGLE / Vídeo: YOUTUBE

6 comentário(s):

  1. Não há dúvida que cantada por Massiel "la,la,la" tem mais perfume.É uma canção simples e muito bonita e também muito bem cantada.De todas as que a Espanha enviou à Eurovisão é a que eu gosto mais.

    ResponderEliminar
  2. Anónimo22:09

    1969 - Salomé - A preto e branco. Foi deveras um estrondo aquela música! Uau!

    1974 - Peret - Lindo! Mas foi um ano cheio de coisas boas. Um dos melhores anos eurovisivos de sempre!

    2008 - Rodolfo Chikilicuatre - Muito bem coreografado. Foi delicioso! Parabéns à "mi muulata con las bragas en la mano": de partir o coco... lol

    2003 - Beth - Tensão em casa, depois da alta tensão no ano anterior com a Rosa. Muita emoção, muitos arranhões nas peles, gritos de nervos, unhas roídas. Mas era mesmo o ano da magnífica Turquia e foi bom assim.

    Eurovisão para sempre!

    ResponderEliminar
  3. Parabéns Nelson pela o artigo, infelizmente há um ódio entre espanhóis e catalães, não vem de agora, já vem muito tempo. É uma pena e é triste.

    ResponderEliminar
  4. Anónimo22:53

    A Ágata perdeu...

    http://24.sapo.pt/autarquicas-2017#id=100700&method=CM

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo02:06

      É da maneira que fica com mais tempo para se dedicar às cantigas.

      Eliminar
    2. Anónimo10:27

      "É da maneira que fica com mais tempo para se dedicar às cantigas."

      Pois, era disso que o povo tinha medo... :-)

      Eliminar

Temas em Destaque

 
Top