Criado em 1959, o Melodifestivalen é considerado por muitos eurofãs como a melhor final nacional para o Festival Eurovisão. Sabia que houve um tema em português a concurso? E que sete dos finalistas marcaram presença no concurso nos últimos três anos?

A Suécia escolhe, esta noite, os seus representantes para o Festival Eurovisão 2017 com a realização da Grande Final do Melodifestivalen 2017, certame considerado por muitos como a melhor final nacional europeia. Deste modo, o ESCPORTUGAL pôs 'mãos à obra' e preparou um artigo especial sobre o concurso, com algumas curiosidades históricas e algumas curiosidades sobre a edição desta noite. Não perca mais tempo e descubra tudo de seguida:

A primeira semifinal com apenas 1 vencedor; a quarta conta com 8 vencedores
Desde a instauração do sistema de semifinais no Melodifestivalen, apenas um vencedor (Loreen em 2012) atuou na primeira semifinal. Segue-se a terceira semifinal com dois vencedores no curriculum (2005 e 2011), quatro na segunda semifinal (2002, 2003, 2007 e 2014), enquanto que a grande maioria atuou na quarta semifinal (8): 2004, 2006, 2008, 2009, 2010, 2013, 2015 e 2016. Boas notícias para Jon Henrik Fjällgren feat. Aninia e Wiktoria?


O vencedor do Melodifestivalen venceu sempre a respetiva semifinal, excepto em 2013
É uma das razões pelas quais os resultados das semifinais apenas são revelados depois da Grande Final: o vencedor da competição foi, na grande maioria das edições, o vencedor da respetiva semifinal. A única excepção aconteceu em 2013: Robin Stjernberg perdeu o apuramento direto para a Grande Final para Ralf Gyllenhammar e Ulrik Munther (7.º e 3.º na Final, respetivamente), sendo o único vencedor do concurso a apurar-se através da Andran Chansen.


Quatro vencedores atuaram na primeira posição
Afro-dite (2002), Fame (2003), Carola (2005) e Charlotte Perrelli (2008) conquistaram a vitória no Melodifestivalen apesar de serem os primeiros a atuar na Grande Final, sendo a posição com maior número de vitórias desde 2002. Segue-se a posição 6 (2004, 2012 e 2015) e a 10 (2007, 2011 e 2016). De realçar que em três ocasiões, o vencedor foi o último a atuar: The Ark, Malena Ernman e Eric Saade fecharam em beleza o lote de participantes. Bons preságios para Ace Wilder e Owe Thörnqvist?


Televoto e júri estiveram em acordo em 7 das 15 edições
Com a decisão final a cargo do público e de um júri, o vencedor do Melodifestivalen foi o mais votado das duas vertentes em 7 ocasiões: 2002, 2003, 2004, 2007, 2011, 2012 e 2015. Nas oito edições em que não houve consenso, o favorito do júri venceu 3 edições (2005, 2008 e 2013), enquanto que o favorito do público foi eleito em 5 competições (2006, 2009, 2010, 2013 e 2016). De realçar que em 2014, a cantora Ace Wilder, vencedora da votação do júri, perdeu a vitória para Sanna Nielsen por apenas 2 pontos, enquanto que em 2009, a vencedora Malena Ernman apenas conquistou a 8.ª posição (em 11) na votação do júri.


Owe Thörnqvist e Omar Rudberg têm 69,6 anos de diferença
É uma marca raramente alcançada: Owe Thörnqvist, na véspera de completar 88 anos de idade, torna-se o artista mais velha da história do concurso a disputar a Grande Final do Melodifestivalen. Por sua vez, Omar Rudberg, nascido a 12 de novembro de 1998, é o mais novo da noite. Comparando as duas idades, os dois cantores têm 69,67 anos de diferenças, mais precisamente 25.448 dias de diferença.


Family Four venceram as cinco semifinais do Melodifestivalen 1971
Depois da escolha interna de  Ingvar Wixell em 1965, a emissora sueca convidou três artistas para disputarem o Melodifestivalen 1971: Tommy Körberg, Sylvia Vrethammar e Family Four. Cada um apresentou cinco temas, tendo sido realizadas cinco semifinais distintas com uma proposta de cada candidato. Contudo, o grupo Family Four fez o pleno, vencendo as cinco semifinais e conquistando a vitória final com "Vita vidder". O grupo voltou a vencer o concurso no ano seguinte, sendo o único caso do mesmo vencedor em edições consecutivas.


Nick Borgen participou em cinco edições consecutivas... sem ganhar
É caso único na longa história do concurso: Nick Borgen participou em cinco anos consecutivos no Melodifestivalen, sem conquistar qualquer vitória. Em 1993, na primeira participação, ficou em 2.º lugar, registando-se um quarto lugar em 1994 e 9.º em 1997, enquanto que nos anos restantes a classificação não foi revelada. Com quatro participações consecutivas entre 2000 e 2003 e uma participação em 2005, Magnus Carlsson esteve perto de bater o recorde de Nick Borgen.


Em 2006 houve um tema interpretado em português numa das semifinais
A cantora brasileira Simone Moreno fez história ao tornar-se a primeira cantora a defender um tema em português numa final nacional europeia: "Aiayeh (The Music of the Samba)" foi o primeiro tema a ser defendido na primeira semifinal do Melodifestivalen 2006. Contudo, a classificação ficou aquém das expectativas: a candidatura recolheu apenas 6688 votos, a pior marca da edição, terminando a semifinal no último lugar.


A Final do Melodifestivalen 2013 contou com apenas uma mulher
Com treze cantoras a concurso no lote de vinte e oito participantes, apenas Louise Hoffsten conseguiu marcar presença na Grande Final do Melodifestivalen 2013, a primeira vez desde 1965 que apenas uma mulher disputara uma Final do concurso. No ano seguinte, a SVT incluiu uma nova regra que obrigava a que 20% dos temas a concurso fossem compostas inteira ou parcialmente por mulheres.


O último tema em sueco a vencer o Melodifestivalen foi «Evighet» de Carola
Apesar da Suécia não ser representada por um tema em sueco no Festival Eurovisão desde 1998, último ano em que existiu a regra que obrigava os países a cantar na língua materna, desde então cinco temas venceram o Melodifestivalen em sueco, tendo sido defendidos em inglês na Eurovisão. Charlotte Perrelli foi a primeira, tendo vencido o Melodifestivalen com  "Tusen och en natt" e o Festival Eurovisão com a versão  "Take Me to Your Heaven". Por outro lado, a última vitória em sueco aconteceu em 2006, quando Carola triunfou com "Evighet" mas levou "Invicible" a Atenas.


Jon Henrik Fjällgren feat. Aninia são os únicos a cantar em sueco na Grande Final
"En värld full av strider" é o único tema na corrida para representar a Suécia no Festival Eurovisão 2017 que é interpretado em sueco. De realçar que em 2016 também apenas um tema em sueco marcou presença na Grande Final do concurso, enquanto que em 2015 foram três as candidaturas defendidas na língua materna do país.


Sete dos finalistas competiram nas últimas três edições
Sete dos doze finalistas são rostos bem conhecidos dos eurofãs suecos e europeus: Ace Wilder, vice-campeã em 2014 e terceira classificada em 2016, é a única repetente com duas participações no curriculum. Por sua vez, Boris René (10.º), Lisa Ajax (7.º), Robin Bengtsson (5.º) e Wiktoria (4.º) estão também de regresso a competição depois da experiência em 2016, enquanto que Mariette (3.º) e Jon Henrik (2.º) partilharam o pódio com Mans em 2015.


Estocolmo lidera o número de organizações do Melodifestivalen
1975 foi o primeiro ano que o Melodifestivalen saiu de Estocolmo, tendo sido organizado em Gotemburgo, enquanto que em 1983 foi a cidade de Malmö a receber a competição. Aliás, Estocolmo, Gotemburgo e Malmö são as únicas cidades que se podem orgulhar de ter recebido as Grandes Finais do Melodifestivalen, além de terem também sediado o Festival Eurovisão: Gotemburgo recebeu 8 finais, Malmö regista 7 e Estocolmo sediou 41 edições, tendo sido a escolha desde 2002.


6 vitórias e 23 posições entre os cinco primeiros classificados
Em 56 edições, o Melodifestivalen já entregou 23 colocações entre os cinco primeiros classificados à Suécia no Festival Eurovisão. Os destaques são as seis vitórias (1974, 1984, 1991, 1999, 2012 e 2015), tendo conquistado o segundo lugar em 1966 e o terceiro em 1983, 1985, 1995, 1996, 2011 e 2014. Além disso, a Suécia conquistou também dois quartos lugares e sete quintos no Festival Eurovisão.


Esta e outras notícias também no nosso Facebook e Twitter. Visite já!
Fonte: ESCPortugal / Imagem: SVT / Vídeo: Youtube

3 comentário(s):

  1. Anónimo21:04

    Obrigado por estas curiosidades, Nuno Carrilho!!

    ResponderEliminar
  2. Anónimo21:20

    Amo o mel fest

    ResponderEliminar
  3. É sempre com interesse que leio estes artigos com resenhas estatísticas. Bom trabalho!
    Nuno, terás só de confirmar a informação no parágrafo final (há 1 ano em falta): 6 1º lugar + 1 2º lugar + 6 3ºlugar + 2 4º lugar + 7 5º lugar = 22 posições no Top5

    ResponderEliminar

Temas em Destaque

 
Top