A inclusão da dupla Jedward no painel de jurados do Festival Eurovisão Júnior 2016 está a causar polémica devido à presença da Irlanda na competição. Contudo, a EBU/UER garante que "a justiça e a imparcialidade" estão asseguradas.

É uma das grandes novidades da 14.ª edição do Junior Eurovision Song Contest: pela primeira vez desde a sua criação, o televoto foi abolido, sendo que os resultados serão apurados pelos júris nacionais de cada país participante e por um júri de sala. Christer Björkman (Suécia), Mads Grimstad (Dinamarca) e Jedward (Irlanda) foram os jurados escolhidos pela produção do evento, sendo que, a escolha da dupla irlandesa causou grande polémica, devido à participação da Irlanda no concurso.

Confrontada com a polémica, o organismo máximo do evento, a União Europeu de Radiodifusão (EBU/UER), garantiu que "a justiça e a imparcialidade dos jurados" estão asseguradas: "A EBU leva a integridade da votação no JESC muito a sério. Todos os júris especialistas foram supervisionados cuidadosamente e fizeram um compromisso para manter a justiça e a imparcialidade, independentemente de experiências anteriores ou da sua nacionalidade. Todos os juízes e júris foram informados para analisar cada desempenho pelo seu próprio mérito. Estamos satisfeitos com o novo sistema de votação da competição que vai resultar num resultado bastante válido".

Este é o primeiro ano que o Festival Eurovisão Júnior contará com um painel de jurados profissionais, abolindo a votação do televoto. Cada um dos três membros irá votar nos seus favoritos na escala eurovisiva (12, 10, 8-1), sendo que os seus votos somados serão somados posteriormente aos resultados dos dois júris nacionais: um formado por crianças e outro por adultos.

Recorde, de seguida, as duas participações da dupla no Festival Eurovisão:




Esta e outras notícias também no nosso Facebook e Twitter. Visite já!
Fonte: oikotimes/ Imagem/Vídeo: eurovision.tv

0 comentário(s):

Enviar um comentário

Temas em Destaque

 
Top