Eis chegada a Semana Santa de todos os eurofãs! Um ano depois, tal como vem sendo tradição, eu, Nuno Carrilho, volto a escrever todas as minhas opiniões sobre o Festival da Eurovisão! Espero por todas as vossas observações!

Um ano depois de Viena, chegou ao fim a penitência de todos os eurofãs! Estocolmo é a cidade anfitriã do Eurovision Song Contest 2016 e 42 países estão na corrida pelo título! Apostas, votações, previsões e teorias: tudo ficará esclarecido esta semana no palco da Globen Arena!

Depois do ensaio geral feito no Melodifestivalen, Mans Zelmerlöw deu as boas vindas a todos os europeus ao som de 'Heroes', tema vencedor do ano passado! Grande momento de televisão e uma das melhores forma de abrir o Eurovision Song Contest 2016! Petra Mede e Mans Zelmerlöw, rostos já bem conhecidos do público eurovisivo, apresentam a gala... mas deixemos os apresentadores para outras instâncias e passemos ao importante: o desfile das canções!


E a fava de abrir a semifinal calhou à Finlândia! Apesar de achar Sandhja e 'Sing It Away' um terrível erro de casting (havia muito melhor no UMK2016), a prestação de ontem fez subir as minhas (tão baixas) expetativas! Sandhja entrou bastante nervosa em palco, mas melhorando bastante na parte final do tema! Destaco a apresentação bastante descontraída, mas que não foi suficiente para ser marcante! Minutos depois, ninguém sabia que a Finlândia estava a concurso! Deve ter ficado afastada dos últimos lugares da semifinal, mas longe dos lugares de apuramento!
 
Longe vão os tempos áureos da Grécia na Eurovisão! Depois de dois apuramentos duvidosos, um dos colossos eurovisivos caiu nas semifinais... Caiu não! Atirou-se! Exceptuando o instrumental, tudo o resto é mau! Sinceramente, ao ouvir com atenção os cantores pareceu-me que estávamos num concurso karaoke e que eles não conheciam nada da música que estavam a cantar... Mau! Muito mau! Ai Grécia já te vimos a fazer muito melhor! Só não deve ter ficado em último, pois Chipre deve ter poupado o país-irmão a esta humilhação!

A Moldávia passou despercebida aquando da sua escolha, passou despercebida na pré-temporada eurovisiva... e voltou a passar despercebida na Eurovisão! Com uma música que em muito faz lembrar o grupo português Santamaria, Lidia Isac apresentou-se na Globen Arena de forma muito segura, mostrando uma grande evolução vocal desde a final nacional! Contudo, como dito anteriormente, a candidatura passou despercebida e nem mesmo o astronauta (que, pelos vistos, não sabia que não era preciso subir ao palco com a acreditação colocada ao pescoço) reverteu a situação! Melhores dias virão Moldávia...


Eis chegada a vez de uma das favoritas da semifinal! Apesar de achar Pionner um tema bastante agradável, a candidatura da Hungria não me diz rigorosamente nada... "Ouve-se" como se diz na gíria popular! Freddie apresentou-nos uma das melhores prestações vocais da noite e teve uma atuação bastante conseguida e concentrada no importante: a música e o cantor! Clara finalista e figurou no top5 da noite, mas continuo a dizer: não me diz rigorosamente nada... Está fora da corrida pela vitória!

Depois de uma penosa caminhada de maus resultados e de uma temporada fora da Eurovisão, a Croácia mostrou, a todos os europeus (e espero que a alguns portugueses em específico...) que é possível "regressar em grande": basta é saber fazer bem as coisas! Ao contrário do que acontecera anteriormente, Nina Kraljić soltou-se em palco e mostrou porque razão venceu o The Voice no seu país. O vestuário é o único  se não de toda a apresentação, mas apesar de pavoroso não acho que seja impedimento para que o país consiga um bom resultado no próximo sábado! Mas não sonhemos muito alto...

A Holanda seguiu-se no alinhamento e com ela um dos temas que mais gosto, 'Slow Down'. Mas admito: nunca acreditei que o país fosse um dos dez finalistas da gala! Contudo, Douwe apresentou na Globen Arena uma prestação totalmente virada para o público de casa e trocou "as voltas" a todos os que previram (mais um) afastamento holandês da Grande Final. Sobre a atuação não há muito a dizer: simples, muito bem conseguida e onde o público é uma das pessoas fulcrais para o seu sucesso! Deverá colocar-se no meio da tabela na Grande Final, mas por favor: corrijam alguns dos planos apresentados!

Há uns dias atrás, a Arménia era um dos países que, na minha opinião, não iria "partir um prato" na Eurovisão, que iria passar totalmente despercebida... Contudo, Iveta Mukuchyan partiu mesmo "a loiça toda". Sensualidade, Voz, Presença, Força, Inovação... Aquela prestação teve tudo! E tudo em bom! Merecidamente, a Arménia merece a vitória na semifinal! Se a geopolítica europeia o permitir, espero ver a Arménia bem acima na tabela classificativa e, quem sabe, se não será Yerevan 2017! Melhor atuação da noite e forte candidata ao título!



O nível de qualidade até estava em níveis aceitáveis... E et voilá! São Marino chega e estraga tudo! Depois de ouvir aquilo e, fazendo mote ao título do tema, a única coisa que me ocorre é: "Não sei o que estás aqui a fazer...". É mau! Muito mau! Confesso que tive algum receio de ver o país no lote de apurados devido à diáspora turca, mas felizmente tudo foi mau e parece-me que nem os turcos se quiseram associar a essa candidatura! Tenho pena de ver São Marino voltar a desperdiçar uma boa oportunidade de mostrar algo de bom no palco da Eurovisão! Espero que tenha sido o último classificado da semifinal...

Seguiu-se um dos grandes favoritos à vitória da Eurovisão! Contudo, após os ensaios, as expectativas estavam bastante elevadas para a Rússia e, sinceramente, a atuação deixou muito a desejar... Bastante complexa e muito bem trabalhada e estudada, mas que no final... sabe a pouco! Além disso, tanto a música como o Sergey Lazarev perderam muita força em palco... Pessoalmente, já não vejo a vitória russa tão fácil e tão garantida como esperava! Veremos como se apresenta Sergey no próximo sábado!

Depois de algumas participações terríveis no passado, a República Checa regressou com força e, após o desaire do ano passado, conseguiu, finalmente, apurar-se para a Grande Final do Festival da Eurovisão (RTP aprende como se faz)! Sem clichés, Gabriela Gunčíková mostrou a toda a Europa como uma boa voz e uma boa presença são suficientes para encher um palco, algo que aliado a um bom tema consegue grandes resultados! E eles aí estão! Tendo em conta o histórico do país, não acredito que suba muito alto na tabela classificativa, mas será, de certeza, um dos temas mais votados pelo público!



Com um tema que pareceu saído de alguma das últimas edições do Melodifestivalen (provavelmente as grades foram as mesmas), Chipre mostrou que muitas pessoas são contra a ideia de que só as "músicas tipicamente eurovisivas" têm lugar na Final da Eurovisão! O tema ganhou muita força em palco, muito em conta à boa prestação vocal do grupo bem como à grande produção por detrás da atuação! Apesar de estar fora do meu top10 para esta semifinal, não fiquei nada surpreendido com o seu apuramento! Na Grande Final não deverá ficar acima do 15.º lugar...

Se durante a noite de ontem havia uma pessoa extremamente feliz, essa pessoa chama-se Zöe e cantou em francês! A alegria que a jovem emanou em toda a sua atuação foi contagiante e, apesar de ter estado bastante contida em toda a interpretação, os europeus querem ver novamente a Áustria no próximo sábado! Espero que a cantora não se deixe corroer pelos nervos (algo que poderia ter corrido muito mal na semifinal...) e que marque a edição pela diferença! Se há palavras que descrevem esta atuação, sem dúvida, que alegria e juventude são as ideias! Força Zoë! Uma das minhas atuações favoritas!

Os nervos não tramaram a Zöe... mas tramaram o Jüri Pootsmann! Com uma atuação muito aquém das expetativas, o jovem cantor apresentou-se com uma valente "pilha de nervos", o que se notou pela prestação vocal muito aquém do esperado, e decerto que muitas pessoas pensaram o mesmo que eu: "Para de fazer este gesto com a mão!!!". Além disso, o tema perdeu muita força em palco e infelizmente um dos temas com mais qualidade a concurso fica perdido (e esquecido) na semifinal! Melhores dias virão Estónia!

Está claro como água: Leve o que levar, o Azerbaijão consegue o apuramento para a Final! Depois dos sucessivos desastres sonoros dos ensaios, a comitiva azeri resolveu pôr o coro a cantar em vez da Samra e assim livrou o país de uma desgraça (se bem que a última cantora que ouvi desafinar tanto no palco eurovisivo acabou por ganhar a competição... pelo Azerbaijão). 'Miracle' é um dos meus temas favoritos da edição, mas merecia uma voz melhor... A atuação foi bem conseguida, mas claramente roubou um dos lugares de acesso à Final a outros que mereciam mais! Poderá ser uma das surpresas na votação de sábado!



Admito: foi a primeira vez que consegui ouvir o tema de Montenegro na totalidade! É fraco, chato e confuso! Porém, ao contrário do esperado, o grupo Highway teve uma das melhores atuações da noite: o trabalho de câmaras foi extremamente perfeito e a atuação ficou digna de uma videoclip de vários milhões de investimento! Pena que Montenegro não tenha conseguido selecionar um tema mais abragente e tenha resolvido levar aquela mixórdia a Estocolmo! Afastamento mais que esperado e provavelmente uma das candidaturas menos votadas da noite!

A Eurovisão é propícia a surpresas, mas por esta eu não esperava! Inspirada nas vitórias suecas de 2012 e 2015, Greta Salóme levou a Estocolmo um dos meus temas favoritos e, surpresa das surpresas, foi eliminada! Não consigo apontar nenhuma razão para tal acontecer, se bem que o único aspeto menos positivo que posso frisar é que a alegria emanada pela cantora não coincidia com a carga emotiva do tema! Contudo, esta não é a razão para a Islândia ter ficado de fora... penso eu! Se alguém me conseguir explicar esse afastamento, agradeço!



A correr o elevado risco de cantar em bósnio, chegou 'Ljubav Je', outro dos meus temas favoritos a concurso, mas aquele a quem eu esperava o futuro menos risonho... algo que se confirmou! A Bósnia-Herzegovina passou a mensagem do seu tema, trazendo para o palco eurovisivo um dos maiores flagelos da sociedade atual: a crise dos refugiados! Contudo, a Europa não entendeu (ou não quis entender...)! A nível vocal, o cantor Deen esteve muito aquém do que mostrou anteriormente, ao contrário de Dalal, que na minha opinião esteve bastante bem em palco! A nível cénico destaco negativamente o uso das mantas de aquecimento: a mensagem a passar era boa, mas, sinceramente, na televisão pareceu uma tentativa falhada de imitarem Ferrero Roché's. Na minha opinião, era uma das claras finalistas!

Ao ouvir o nome Ira Losco rapidamente me vem à ideia aquela imagem de uma menina cheia de força e carisma... A menina deu lugar a uma mulher (e que mulher!), mas a força parece ter ficado em 2002! Ou simplesmente não devia ter escolhido Walk on Water! Ira está a defender um tema que não foi feito para si e com o qual não se identifica, algo que é bastante evidente! A nível geral, o tema perdeu bastante força em palco e Ira não esteve nos seus melhores dias! O apuramento de Malta foi uma das surpresas depois do que vi em palco, mas uma coisa é certa: Ira Losco fica na história da Eurovisão com 7th Wonder e não com Walk on Water! 

Seguiu-se o habitual período de votação, sendo que o mesmo foi precedido por um brilhante interval act, onde destaco a presença do português João Assunção (novamente, muitos portugueses apenas conseguem mostrar o seu talento no estrangeiro...)! A tons de cinza, a Eurovisão alertou a Europa para a crise que vivemos, fazendo chegar ao coração de muitos europeus todo o misto de sentimentos porque passam essas pessoas... Parabéns SVT!



Contudo, antes dos resultados (dos quais já falei anteriormente), chegou um dos momentos mais estranhos da edição! Sou claramente contra a existência dos Big5 e alegrou-me a ideia de os mesmos atuarem nas semifinais, visto que é um passo para o fim das regalias dos mesmos... mas que raio foi aquilo? Passar um excerto de uma atuação? Menos! Muito menos... Acabem é com as regalias desses cinco países na Eurovisão e está o assunto arrumado!

Venha daí a segunda semifinal que estamos ansiosos para que chegue!
Obrigado a todos os que leram esta minha análise! Espero pelos vossos comentários!

Esta e outras notícias também no nosso Facebook e Twitter. Visite já!
Fonte: ESCPortugal / Imagem/Vìdeo: eurovision.tv

20 comentário(s):

  1. Anónimo09:40

    Quando dizem que o Azerbaijão passará sempre à final eu penso na Turquia... Arménia... Suécia... Grécia... Bósnia... querem que continue? Não há países imbatíveis, nem a Rússia está a salvo de falhar alguma vez. Mas é certo que estes países reúnem condições mais favoráveis que outros e conseguem passar à final com mais facilidade

    ResponderEliminar
  2. Anónimo09:49

    Concordo com quase tudo, mas simplesmente não consigo gostar da canção da Croácia. A que mais me surpreendeu, pela positiva, foi a Áustria. Nunca pensei que passasse à final, mas depois de ver a sua atuação, foi muito merecido.
    De todas as músicas, a que mais "mexe" comigo é a da Sérvia. Espero que passe logo à final. E que ganhe.

    ResponderEliminar
  3. Anónimo10:23

    Concordo com o fim das regalias dos Big5 e do país anfitrião, todos devem estar no mesmo pé de igualdade, torna-se muito injusto para outros países que mereciam muito mais estar na final e não podem porque "só podem passar 10"... E já agora, na minha opinião a Suécia está a roubar um lugar na final, a música é tão chata...boringgg.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo12:48

      10.23: Uma coisa (com que concordo inteiramente) é pôr fim às regalias dos Big 5 (e confirmar, antes do mais, se todos contribuem, de facto, financeiramente em maior escala para a EBU); outra seria fazer a canção do país anfitrião passar também pela eliminatória e não ser eventualmente apresentada na final. O país que organiza tem encargos grandes, tem muita gente a trabalhar para o evento (não só na sala onde se realiza) e seria pouco correto que a sua canção (por muito má que fosse) pudesse ser afastada da final.

      Eliminar
    2. Anónimo13:05

      Este ano os big5 esforçaram se todos para apresentar músicas decentes,acontecimento q espero q se venha a repetir todos os anos :)

      Eliminar
  4. Concordo em quase tudo o que diz o Nuno, só em relação à Arménia é que eu acho que está a exagerar um bocadinho. Mas é a sua ideia e cada qual como eu sempre digo deve pensar pela sua cabeça e não se limitar a papaguear o que outros já disseram. Nota 19,5 para 20,portanto.

    ResponderEliminar
  5. Pedro Carvalho12:32

    Gostei do artigo e partilho da maioria das opiniões. Islandia flopou no direto e holanda surpreendeu

    ResponderEliminar
  6. A Islandia levou uma encenaçao tetrica,mais a ver com morte do que com vida.Musicalmente antiquada,com muito de River Dance.Nao me surpreendeu NADA,que tienha ficado pela semi,eu nunca acreditei,que um horror show daqueles fosse agradar a Europa. Viva a Holanda!!!

    ResponderEliminar
  7. O Pioneer da Hungria parece ter entrado numa fase de rotina,sem o sopro que tinha de inicio ,por ex durante a "A dal".A camisa assimetricamente metida nas calças pareceu demasiado "propositada"para poder ter um efeito descontraido.Para mim perdeu pontos.

    ResponderEliminar
  8. Pedro Carvalho13:23

    Por acaso achei super comico o astronauta da Moldávia com a acreditação ao pescoço. Quando vi foi tipo WTF LOL

    ResponderEliminar
  9. Anónimo13:28

    A Bosnia provou que não cantar em ingles, pelo menos uma parte da canção, foi um ERRO

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo19:59

      que fixacao mais cansativa com o ingles!! a Austria cantou em frances e passou assim mesmo

      Eliminar
  10. A Holanda,com aquele relogio antigo no chao,com aquela movimentaçao descontraida a transpirar boa disposiçao,com toda a intercomunicaçao entre Douwe e o publico foi maravilhosa.A Russia,parecia uma maquina avariada da Feira Popular,movimento e voltas a mais de pernas para o ar.

    ResponderEliminar
  11. "Com uma música que em muito faz lembrar o grupo português Santamaria, Lidia Isac apresentou-se na Globen Arena...". Esta foi a parte que mais me chamou a atenção. E eu digo: se fosse os Santamria a pegarem na canção e se fosse a Filipa Lemos (a vocalista dos Santamaria) a interpretar a canção da Moldávia, podiam ter a certeza que passava à final.

    O problema da participação da Bósnia não foi o idioma, foi mesmo a canção em si. Ao contrário daquilo que muitos pensam, o inglês não faz milagres.

    Quanto à Rússia, ou o Sergey mete mais garra e força na atuação ou vai ficar em apuros. Então se a Jamala for tão apoteótica em palco como dizem, ele vai ter problemas.

    De resto, eu concordo.

    Cumprimentos.

    ResponderEliminar
  12. Para descrever Gabriela Guncikova e a sua actuaçao basta uma so palavvra: CLASSE.

    ResponderEliminar
  13. A Bosnia quis meter muita coisa num espaço e tempo limitados.Ainda por cima 2 dos elementos eram 2 homens que pareciam cheirar a adereços de cabedal de second hand shop.Deen,Jala e Rucner,fora dali.Sozinha,creio que Dalal teria levado Ljubav je ate a final.As cobertas termicas foram comicas.

    ResponderEliminar
  14. Anónimo19:14

    Eu consigo explicar o afastamento da Islândia: ''Hear them calling me'' é uma canção mediana e um pouco confusa a uma primeira audição... não é por acaso que se apurou em terceiro lugar na sua semifinal nacional e classificou-se em segundo na primeira volta da final... Estou a repetir-me, mas cá estam as minhas razões... :)

    ResponderEliminar
  15. Anónimo20:24

    Na minha opiniao a organizaçao fez muito mau trabalho em certas partes: a musica dos postcards nem se ouvia, nao havia a bandeira de cada pais no logo como de costume, o inicio do espetacculo foi muito pouco emocionante e aquela versao de heroes tambem e a anunciacao dos finalistas tal como no ano passado foi muito rapida e sem emocao nenhuma... bons velhos tempos em quem demoravam imenso a dizer o nome de um pais e uma pessoa desesperava e dos mostrava as delegacoes,...
    Mas tambem ha que destacar que a organizacao fez um excelente trabalho com os planos de camera

    ResponderEliminar
  16. Anónimo02:28

    Não concordo em quase nada do que falaste em relação ao Azerbaijão. 1º porque um dia vai cair...e no ano passado passou à final no 10º lugar da semi, e no ano antes no 9º. Depois porque a Samra cantou bastante tempo sozinha, o coro só tinha real relevância no refrão (e era apenas no inicio). Acho que foste um pouco injusto aqui. Por fim o seu apuramento no é nada estranha, a música é muito apreciada, e a atuação está muito bem feita, mesmo com uma voz mais fraca a passagem é mais que merecida e justa.

    ResponderEliminar

Temas em Destaque

 
Top