O diretor-geral da emissora ucraniana garantiu que a Ucrânia ficará de fora da próxima edição do Festival da Eurovisão, em caso da Rússia vencer a competição no próximo sábado.

De regresso ao concurso depois de uma retirada motivada pelos conflitos armados existentes no seu território, a Ucrânia poderá ficar de fora da próxima edição do Festival da Eurovisão: o anúncio foi feito pelo diretor-geral da emissora nacional e confirmar-se-à se a Rússia vencer o concurso no próximo sábado.
Zurab Alasiania, diretor-geral da UA, escreveu na sua página de Facebook: "Se o vencedor for um homem chamado Lazarev, no próximo ano, a UA voltará a recusar o convite para participar no concurso". Lembramos que uma situação semelhante aconteceu em 2012: a Arménia recusou-se a participar no Festival da Eurovisão 2012, sediado no Azerbaijão, alegando falta de condições de segurança, tendo em conta que os dois países estão também em conflitos armados entre si.

Recorde, de seguida, as prestações da Ucrânia e da Rússia nas semifinais do Festival da Eurovisão 2016:




Esta e outras notícias também no nosso Facebook e Twitter. Visite já!
Fonte: eurovoix / Imagem/Vídeo: eurovision.tv

34 comentário(s):

  1. Anónimo11:29

    Kiev 2017 :-b

    ResponderEliminar
  2. Anónimo11:32

    "Se o vencedor for um homem chamado Lazarev" - será que foi esse homem o responsável pelo conflito entre os dois países? Até parece que sim. Não seria mais lógico "Se a vencedora for a Rússia" ou "Se a vencedor for a canção "You are the only one"? Afinal até é (ou devia ser) um festival de canções...

    ResponderEliminar
  3. Anónimo12:14

    E depois dizem que a Eurovisão não é política. Sempre o foi, sempre há-de ser!

    ResponderEliminar
  4. Anónimo12:20

    A Rússia ganha, a Ucrânia não participa ... até aqui compreensível infelizmente e nada de inesperado. Agora se for a a Ucrânia a ganhar, a Rússia participará na mesma: o ego é demasiado grande para ser esmagado pela "irmã", a humildade é zero para reconhecer os seus próprios erros, e o desejo de show off não tem limites ... algo que só a Rússia aprendeu com a sua falecida "mãe" ... o desejo de superioridade e estar sob o efeito dos holofotes é inacreditável.

    ResponderEliminar
  5. Anónimo12:39

    Ridículo dizer isso agora, a tentar influenciar as votações, por mim pode desistir já...

    ResponderEliminar
  6. Anónimo12:57

    Mas há uma coisa é q quase ninguém sabe, em 2012 o Azerbaijão abriu as 'cancelas' a todos os arménios q quisessem ir assistir ao espetáculo é o presidente da televisão azeri ainda afirmou q se Arménia tivesse participado ele apoiaria porque seria uma 'chapada' ao mundo e dizer q não é por uma guerra q se há de impedir uma competição de música. Quanto a esta notícia, apoio totalmente, e apesar da música da Ucrânia não ser das minhas favoritas antes prefiro q ganhe 1.000.000 vezes mais do que a pastilha mascada q e a canção russa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. 12:57 - So a ideia de abrir cancelas ,e sinal de que normalmente as cancelas andam fechadas.A ideia de andar a dar "chapadas"ao mundo tambem diz tudo: Violencia a nivel de atitudes e SO FINS PROPAGANDISTICOS.Toda aquela zona esta a precisar duma revoluçao mental! (c)

      Eliminar
    2. Anónimo14:09

      Olha,estás a ver, até estou comovido e não sou arménio.

      Eliminar
  7. Anónimo13:18

    Eu não estou de acordo com estas declarações da televisão ucraniana porque afinal de contas a Eurovisão não se resume ao ódio entre os diversos países mas sim ao facto de todos os países estarem a competir em torno de um objetivo que no fundo é o que nos une a todos que é o gosto pela música.
    Eu sei que isto parece um discurso todo pacifista e cliché, mas é o que eu realmente penso. Mas enfim é só uma opinião...

    ResponderEliminar
  8. Podia ter esperado pelo desfecho do concurso,antes de vir de antemao fazer declaraçoes deste teor.Fica um sabor a desejo de manipulaçao dos resultados.Pode vir a ter um resultado completamente oposto ao desejado pela TV ucraniana.Ja nos anos 70 Grecia,Turquia,Israel tiveram situaçoes semelhantes.

    ResponderEliminar
  9. Declarações infelizes e num timing perfeitamente desadequado... desvirtuando completamente as razões que levaram à criação do ESC!

    ResponderEliminar
  10. Olha a treta =)) =)) =))
    torço para que a Ucrânia vença, não gosto da apresentação Russa.
    Isso é um festival de canções e espero que os dois países se entendam

    ResponderEliminar
  11. Anónimo13:47

    Olha,estás a ver, até estou comovido e não sou arménio.

    ResponderEliminar
  12. Anónimo13:54

    Nunca foi envolta em política e foi sempre às claras ao ponto de no 1º concurso a votação ter sido à porta fechada e pasme-se a vencedora até era da casa. Agora porquê a ameaça? Isso vai pôr em perigo a realização do festival? Uma notícia destas nem merece relevo.

    ResponderEliminar
  13. Anónimo15:20

    Já estamos com as chantagens...

    ResponderEliminar
  14. Anónimo15:24

    Nao creio que ganhe nem a Russia e nem a Ukrania, ambas me decepcionaram e deixaram q outras cancoes se destacassem

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo15:40

      Estou contigo, irmão/irmã. Agora é que puseste a boca no trombone.

      Eliminar
  15. Espero bem que não aconteça, é o meu país favorito na Eurovisão e este ano não podiam ter regressado de melhor maneira, é o meu 1º lugar ;-(

    ResponderEliminar
  16. Anónimo18:02

    A canção da Russia é insignificante, na medida em que não reporta algo de novidade/interesse: letra, música, voz e interpretação paupérrimas e 'video mapping' sem qualquer novidade. Sendo assim, não tem motivos para ganhar (pode ficar nos lugares cimeiros pelas razões (políticas) habituais). Gostaria de ver como canção vencedora a da Ucrânia ou da Áustria, que, ao meu ver, têm mais de comum do que de diferença (a nível de letra) e são muito actuais, espelhando a realidade nua e crua: Guerras e conflitos e partir para "um" longe, à procura de uma Vida melhor. Boa sorte para a Zoe e a Jamala!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não podia estar mais de acordo.

      Eliminar
  17. Anónimo18:34

    ¡Qué malas artes utilizan algunos para ganar! Esto es un chantaje en toda regla. La UER debería tomar cartas en el asunto y, como mínimo, amonestar a Ucrania por chantajear e intentar boicotear al legítimo ganador de Eurovision, en caso de que Rusia venciera. Por mí, Ucrania debería estar descalificada para siempre por este chantaje. Lo mismo pasó en 2012 cuando Armenia no acudió a Azerbaiján. Si la UER hubiera expulsado a Armenia de por vida, no hubiéramos tenido este chantaje por parte de Ucrania. Luego, Rusia y Azerbaiján son los malos de la película, mientras que Ucrania y Armenia son las víctimas. Portugal y los países nórdicos no se pueden quejar de los intentos de sabotaje de Armenia y Ucrania, ya que Portugal y los países nórdicos fueron los primeros en boicotear una edición de Eurovision, en concreto la de 1970.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo20:50

      Sabes a razão de tanto país se ter boicotado na edição de 1970? Agradeço uma resposta, tenho curiosidade!

      Eliminar
    2. Antes de 1970,ja a Austria em 1969 tinha boicoteado o ESC de Madrid como protesto contra a ditadura de Franco.Ainda bem que o fez.

      Eliminar
    3. Anónimo21:29

      E em 1967 a Dinamarca contra a troca de votos ocorrida em 1966 (países nórdicos, exceto a dita / Portugal e Espanha).

      Eliminar
    4. 20:50 - A razao para o consideravel boicote de 1970 foi a estrutura do sistema de votaçao,a qual no ano anterior tinha permitido que tivesse havido 4 paises vencedores:Holanda,UK.,França,Espanha.Curiosamente houve trofeus para todos(muito estranho...).

      Eliminar
    5. 21:29 - A Dinamarca esteve ausente do ESC por 11 anos de 1967 a 1977,tendo retornado em 1978,nao por razoes de boicote,mas pura e simplesmente por falta de interesse pelo ESC na Dinamarca(um pouco ao estilo de Italia).

      Eliminar
    6. Anónimo09:39

      00.51: Desculpe, mas a ausência da Dinamarca em 1967 veio na sequência de uma crítica (talvez a primeira a um nível mais "oficioso") à troca de votos. E, na verdade, basta ver a gravação da edição de 1966 para se ouvirem risos do público (numa época em que a plateia era muito bem "comportadinha") sempre que países geograficamente próximos trocavam pontos (à época 1, 3 e 5, o que tornava tudo ainda mais evidente). A Dinamarca não foi contemplada por essa "generosidade" e a DR protestou. Depois, um diretor de programas foi sempre achando de pouco interesse a participação do país no ESC e a mesma só foi retomada quando ele deixou de ocupar o cargo. Mas que houve críticas da estação de televisão dinamarquesa (ainda em 1966), pode crer que houve e jornais da época confirmá-lo-ão.

      Eliminar
    7. Anónimo10:07

      A ausência da RTP em 1970 não foi tanto ter havido quatro canções vencedoras em 1969 (este argumento pesou muito mais para os países nórdicos), mas o mau resultado de "Desfolhada" (um livro publicado há poucos anos sobre a história da RTP deixa esse ponto claro). Falou-se muito em "manobras políticas", mas a verdade é que Portugal no início de 1969 até nem era tão mal visto internacionalmente como antes, porque Marcello Caetano (ainda no início do seu governo) parecia estar a criar uma "primavera" na política portuguesa, seguida com interesse nos outros países. Curiosamente o sistema de voto de 1969 regressaria por uma vez (em 1974) por insistência... dos países nórdicos.

      Eliminar
    8. Anónimo10:47

      RG @ 20:53: boicoteado? Escreves realmente muito bem.

      Eliminar
  18. Anónimo18:44

    Não consigo encontrar sentido na performance com a letra da música da Rússia. Para o refrão tem uma letra barata, melodia de anos 2000, típica eurovisiva que também há quase parecido em programas da tarde dos fins de semana. A mensagem da canção perde-se por completo na performance, os gráficos estão giros, mas o sentido é quase inexistente. Tanto clichè da parte da Rússia...

    ResponderEliminar
  19. Anónimo19:30

    falam que os factores politicos iriam beneficiar a Russia?? com toda a propaganda anti-russa dos ultimos tempos creio que sería o contrario em beneficio da Ucrania que ao igual que ao igual que a Russia terao que se contentar com um top 10 mesmo que eu tenha a impressao que a Ucrania vá ganhar só pelos acontecimentos politicos dos ultimos tempos

    ResponderEliminar
  20. Anónimo23:53

    Se me derem a escolher... escolho a Rússia. Porque não gosto de gemidos nem de mensagens nas músicas. Adoro "Lalalas". O resto está a mais. Sempre. Bélgica 2004: excelente! Posso imaginar o que eu quiser. Agora cá o "1944"... que faça uma pintura... que já chega o poema. Música é outra coisa e a prova é que ganham parvoíces cantadas. Em inglês... lol

    ResponderEliminar
  21. 23:53 - Creio que te referes a Belgica em 2003 ,com a cançao SANOMI,que faz muito lembrar a palavra Finlandesa SANOMA,que significa MENSAGEM.Pura coincidencia nao e?Ah sim,as vezes um lalala ou olarilole bem gritados e guinchados ate sao OK. Outras vezes era melhor nem entender nada,caso da Russia 2016.Viva a Ucrania!

    ResponderEliminar
  22. Anónimo16:58

    Ai que lá nos vão privar de Tic-Tocs e Shaggy Ladies!... Sim, porque se ganhar um homem chamado Lazarev é porque 1944 perde e então o melhor seria voltar à receita intelectual dos outros anos. Mas se o ESC for na Rússia os Tic-Tocs ficam em casa. Oh!!!!

    ResponderEliminar

Temas em Destaque

 
Top